USDA/Divulgação
USDA/Divulgação

Governo do Estado quer usar PM e Defesa Civil contra o Aedes

Comitê para combater o mosquito deve envolver 11 secretarias para controlar o zika e a epidemia de dengue

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2015 | 03h00

O governo do Estado de São Paulo vai criar um comitê composto por 11 secretarias estaduais para definir um plano de enfrentamento conjunto à dengue e ao zika vírus. Uma das propostas que serão feitas pelo secretário estadual da Saúde, David Uip, será engajar policiais militares e agentes da Defesa Civil no combate aos criadouros do mosquito Aedes aegypti.

“Será um comitê para combater todas as arboviroses. O plano já foi apresentado ao governador (Geraldo Alckmin) e ele autorizou as macrodecisões. Agora, com a participação de todas as secretarias, vamos definir estratégias detalhadas. Queremos uma força-tarefa com a Segurança Pública e com a Defesa Civil para extermínio do mosquito”, diz Uip. Participarão do comitê, além da Saúde e da Segurança Pública, as secretarias do Meio Ambiente, Planejamento e Gestão, Fazenda, Direitos da Pessoa com Deficiência, Ciência e Tecnologia, Desenvolvimento Social, Casa Militar, Casa Civil e Governo.

A Defesa Civil do Estado disse que ainda não foi comunicada sobre este comitê, mas que mobilizará as defesas civis municipais “a se engajarem na campanha” e, se necessário, auxiliará nas vistorias de locais que possam servir de criadouros”.

A Secretaria da Segurança Pública afirmou que os médicos do Hospital da PM já auxiliaram no último verão nas ações de combate ao Aedes e que esse trabalho poderá ser repetido na próxima temporada.

Mais ações. Conforme informou o Estado na quinta, o plano de enfrentamento do governo do Estado prevê ainda a oferta de testes de sorologia para zika para as gestantes de São Paulo e o acompanhamento das grávidas cujos bebês tiverem suspeita de microcefalia.

Questionado sobre a contratação de mais agentes e eventual repasse de mais recursos para a Prefeitura, Uip disse que essa decisão também será tomada pelo comitê, de acordo com a disponibilidade de recursos do governo estadual. “É por isso que as secretarias da Fazenda e de Planejamento estão nesse grupo”, disse ele. A primeira reunião do comitê deverá ocorrer na próxima semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.