FELIPE RAU/ESTADAO
FELIPE RAU/ESTADAO

Governo de SP repassa informações à Anvisa e reafirma segurança de doses bloqueadas

Vinte e cinco lotes da Coronavac foram interditados pela agência no fim de semana. Instituto Butantan diz que vacinas tiveram qualidade atestada

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2021 | 12h45
Atualizado 08 de setembro de 2021 | 15h41

O Instituto Butantan encaminhou na manhã desta quarta-feira, 8, informações adicionais à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre 12,1 milhões de doses de Coronavac que estão suspensas no País desde o fim de semana, segundo o governo de São Paulo. “Não há mais nenhuma pendência”, afirmou o governador João Doria (PSDB), em anúncio de medidas contra a covid-19 nesta quarta-feira, 8. As vacinas seguem interditadas cauterlamente pela agência.

A Anvisa suspendeu 25 lotes da Coronavac, vacina fabricada pelo laboratório chinês Sinovac, em parceria com o Butantan, no último sábado, 4. A determinação, válida por 90 dias, foi tomada após o órgão constatar que o envasamento das doses aconteceu em uma linha de produção inaugurada na China durante a pandemia. O novo local não passou por inspeção de equipes sanitárias brasileiras e, portanto, não conta com certificado reconhecido no Brasil.

O Estado, no entanto, defende o procedimento de produção dos lotes e afirma que essas doses seriam tão seguras quanto as doses de Coronavac que foram aplicadas desde o início da campanha vacinal no País. "A vacina tem controle de qualidade rigoroso, assim como todo o resto da fábrica", disse Rui Curi, diretor do Butantan. "É uma questão de formalização."

Após o anúncio da suspensão, o governo de São Paulo informou que já havia usado 4 milhões de doses pertencentes a esses lotes. Segundo a gestão Doria, nenhuma intercorrência ou efeito adverso relacionado ao uso foram registrados até o momento. A expectativa é "acelerar" o processo de liberação das vacinas suspensas.

“É uma mensagem tranquilizadora às pessoas que tomaram a vacina do Butantan. A qualidade da Coronavac é incontestável e a própria Anvisa já se pronunciou (anteriormente) nesse sentido”, disse Doria. “Aguardamos a liberação deste novo lote para aplicação na população do País.”

Secretário Estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn afirmou que “todas as doses passaram por rígido controle de qualidade” na China e no Brasil. Segundo o titular da pasta, o procedimento teria sido feito pelo Butantan e também por órgão vinculado à Fiocruz, antes da distribuição para as cidades.

“Ainda assim, orientamos os municípios para acompanhar o evolutivo dos pacientes nos próximos 30 dias”, disse Gorinchteyn. “Nenhum dos pacientes que recebeu apresentou qualquer reação mínima.”

De acordo com o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, um relatório de inspeção, feito pela vigilância sanitária chinesa, deve chegar à Anvisa até o fim da semana. Em defesa da Coronavac, Covas disse, ainda, que o imunizante já foi usado em mais de 60 milhões de crianças e adolescentes daquele país. No Brasil, a agência reguladora recusou o uso para os grupos.

“É importante dizer que é a vacina mais segura do mundo. Já tem um perfil de segurança avaliado em mais de 1 bilhão de pessoas”, afirmou Covas, que disse ter “confiança na Anvisa” para liberar os lotes suspensos.

O Estadão procurou a Anvisa, por meio de assessoria de imprensa, às 13h46, para confirmar o recebimento de dados pendentes e se há expectativa de análise para liberação dos lotes. A agência não respondeu até o momento. 

SP vai dar merenda extra para aluno de baixa renda

O governo Doria anunciou, ainda, que vai passar a distribuir merenda extra para 700 mil alunos de baixa renda da rede estadual de ensino. Segundo o governador, a medida entra em vigor a partir do dia 27 de setembro.

A ideia do governo é que, além da merenda oferecida na escola, o estudante possa levar mais uma refeição para casa. “É uma merenda adicional para alunos de famílias vulneráveis”, disse Doria.

No fim de agosto, o governo paulista já havia anunciado uma ação em que promete pagar R$ 1 mil para que estudantes vulneráveis continuem frequentando a escola. Esse programa contra evasão escolar tem público estimado em 300 mil alunos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.