Estadão
Estadão

Governo e entidades de saúde chegam a acordo sobre cadastro de especialidades

Versão que será apresentada atende às reivindicações de associações e retira o artigo, considerado polêmico, que permitia a criação de critérios de equivalência entre cursos de especialidade médica e acadêmicos

Lígia Formenti, O Estado de S. Paulo

22 Agosto 2015 | 03h00

BRASÍLIA - Depois de momentos de tensão na semana passada, governo e entidades de classe chegaram a um acordo sobre as regras para criação do Cadastro Nacional de Especialistas. O novo texto, que deverá ter os detalhes finais acertados no início da próxima semana, foi acordado em reunião entre integrantes dos Ministérios da Saúde e da Educação e entidades médicas. A versão que será apresentada atende às reivindicações de associações e retira o artigo, considerado polêmico, que permitia a criação de critérios de equivalência entre cursos de especialidade médica e acadêmicos.

“A ideia era permitir que títulos de especialidades, com algumas alterações, pudessem também ser aproveitados para obtenção de títulos de mestrado e doutorado, não o oposto”, afirmou o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Heider Pinto. “Para evitar confusões, isso foi retirado”, completou.

O diretor da Associação Médica Brasileira, Diogo Sampaio, disse estar satisfeito com as alterações. Prevista na Lei do Mais Médicos, a criação do cadastro de especialistas foi feita por meio de um decreto, publicado há duas semanas. A versão inicial, no entanto, irritou entidades médicas que viram no texto uma série de brechas para que o governo ampliasse seus poderes na regulação dos cursos de especialidades médicas.

Decretos. Diante do descontentamento das entidades, um decreto legislativo foi apresentado para anular os efeitos do decreto presidencial. A proposta não chegou a ser votada. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, negociou com o setor e com parlamentares, um grupo de trabalho foi criado e a nova versão do texto, foi agora acordada. “O importante é termos a adesão de todos”, disse Pinto. A nova versão do texto prevê um cadastro com base de dados distintas. Em uma delas, ficarão contidas as informações sobre especialidades. Em outra, os dados sobre títulos acadêmicos.

Mais conteúdo sobre:
Cadastro Nacional de Especialistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.