Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Governo facilita uso de drones no combate ao Aedes aegypti

Secretaria de Aviação Civil reduziu nesta segunda-feira o prazo para análise de pedidos, por órgãos públicos, de uso das aeronaves

O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2016 | 19h02

SÃO PAULO - A Secretaria de Aviação Civil (SAC) anunciou que vai facilitar o uso de drones no combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor dos vírus da dengue, zika e chikungunya. Diante da mobilização das autoridades federais, estaduais e municipais, a SAC informou ter reduzido nesta segunda-feira, 22, de 60 para 9 dias os prazo mínimo de análise dos pedidos, por órgãos públicos, para uso das aeronaves remotamente pilotadas na identificação de focos e criadouros do mosquito.

No País, existem apenas quatro casos, até o momento, autorizados pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para uso das aeronaves no mapeamento de focos do mosquito - Chapecó (SC), Santo Antônio da Platina (PR), São José dos Campos e São Paulo (SP). Os pedidos foram feitos pelas respectivas secretarias municipais de saúde.

No caso da Secretaria municipal de Saúde de São Paulo, o uso de drones no combate à dengue começará no primeiro semestre de 2016. A operação será feita com três voos por semana, 4 horas por dia. A proposta é identificar possíveis criadouros do mosquito em locais de difícil acesso ou que estão fechados e não permitem o acesso dos agentes de saúde.

Segundo o secretário de Navegação Aérea Civil da Secretaria de Aviação, Juliano Noman, a agilidade na análise dos pedidos se deu pela parceria com a Anac, Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). "Essas solicitações serão analisadas entre nove e 20 dias, no máximo", afirmou.

Um procedimento simplificado e exclusivo para o Aedes foi desenvolvido pela SAC com o intuito de aumentar o número de pedidos pelos drones. Também está sendo feita uma campanha educativas para uso responsável dessas aeronaves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.