Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Governo faz simulação de chegada de infectado com Ebola ao Galeão

Ministério da Saúde ressaltou que não há caso suspeito da doença no País e que ação teve objetivo de preparar rede de vigilância

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

29 de agosto de 2014 | 12h02

Atualizado às 18:37

RIO - O Ministério da Saúde coordenou nesta sexta um exercício para simular as medidas adotadas em resposta a um possível caso de Ebola no País. A simulação começou no Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, por volta das 9h e terminou às 11h25 na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, o hospital referência no Rio para uma eventualidade da doença. Os próximos exercícios simulados, ainda sem data definida, serão realizados nos aeroportos de Brasília e Guarulhos.

Participaram da ação cerca de 100 agentes de Ministério, Fiocruz, Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Secretaria Estadual de Saúde, Polícia Federal, Corpo de Bombeiros, a concessionária Rio Galeão, que administra o terminal, e a companhia aérea TAM, que emprestou a aeronave. O Ministério da Saúde voltou a reforçar que não há casos de Ebola e sequer de suspeita da doença no Brasil.

A ação começou com a simulação de um passageiro com sintomas da doença (febre de início súbito, acompanhada de sinais de hemorragia) dentro do avião. A equipe de bordo então contatou a Anvisa, que por sua vez comunicou Ministério e Secretarias Municipal e Estadual de Saúde. Os passageiros foram evacuados, já que nenhum deles teve contato direto com sangue e/ou secreções do passageiro infectado - o vírus não é transmitido pelo ar -, e tiveram início os trâmites para a transferência dele à Fiocruz.

A única parte da simulação à qual teve a imprensa acesso foi a chegada do paciente, "interpretado" por um militar das Forças Armadas, ao hospital. Quando a ambulância do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) estacionou, o paciente levantou-se e deitou na maca com rodas que o aguardava - todos os profissionais que tiveram acesso a ele usavam roupas, luvas e máscaras de proteção; uma funcionária da Fiocruz, também protegida, cuidava de limpar o piso imediatamente após a passagem da equipe médica com o enfermo.

"Embora seja considerada baixa a possibilidade de um viajante infectado por Ebola chegar ao Brasil, foram colocados em teste os procedimentos que devem ser seguidos pelas equipes de saúde", informou o Ministério em nota. A ação teve o objetivo de "preparar a rede de vigilância em saúde para uma resposta rápida e eficiente frente aos desafios impostos pela doença."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.