Governo gasta R$ 10 milhões com campanha

O Ministério da Saúde está investindo R$ 10 milhões para chamar profissionais e explicar o programa Mais Médicos em rádio, tevê e jornais. A campanha publicitária, que começou a ser veiculada na semana passada, pretende chamar médicos para participar e também fazer com que os municípios que precisam de profissionais se inscrevam no programa. 

Lisandra Paraguassu / BRASÍLIA,

20 de julho de 2013 | 21h04

 

Criticado desde antes de o Mais Médicos ser anunciado por completo, o ministério também usa a campanha para conquistar a população que precisa de atendimento, mas desconhece a ação do governo. A análise é que, apesar da contrariedade da classe médica, a maioria da população é simpática à ideia, que ganhará apoio com divulgação. 

 

De acordo com uma nota do ministério enviada ao Estado, a razão principal é atrair candidatos às vagas e aos municípios que precisam de médicos.

 

“A execução do programa depende da adesão de municípios, que apontarão a demanda de unidades de saúde que não contam com profissionais, e de médicos, que receberão bolsa federal de R$ 10 mil para atuar nos municípios do interior e nas periferias das grandes cidades”, diz o texto. A nota explica que a campanha é para atingir esses públicos e tem os mesmos moldes e o mesmo custo da que divulgou o Programa de Valorização da Atenção Básica (Provab), proposta anterior de atração de médicos para o interior. 

 

O programa enfrenta enorme resistência da classe médica, contrária especialmente à contratação de estrangeiros, possibilidade aberta pelo governo caso as vagas não sejam preenchidas por brasileiros. Apesar de o Brasil ter apenas 1,8 médico para cada mil habitantes, entidades alegam que o País importará pessoas mal formadas quando o maior problema da saúde é a falta de infraestrutura.

Na sexta-feira, o Conselho Federal de Medicina, a Federação Nacional dos Médicos, a Associação Médica Brasileira e a Associação Nacional de Médicos Residentes anunciaram, em protesto, que deixarão ao menos 11 comissões do ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.