Governo inaugura no Acre primeira fábrica estatal de camisinha

A primeira fábrica estatal depreservativos do Brasil foi inaugurada nesta segunda-feira emXapuri, no Acre, e será a primeira do mundo a produzircamisinhas com látex de seringueira nativa da Amazônia. Com capacidade para produzir 100 milhões de unidades depreservativos por ano, a Natex teve investimento de 31,3milhões de reais e começará a fabricação para o consumo apartir do fim de junho. Segundo o governo, a capacidade deprodução anual pode ser ampliada para 270 milhões de unidades. "Com a produção da fábrica, o Ministério da Saúde pretendeampliar o acesso da população do país ao preservativomasculino. Em 2007, foram distribuídos 120 milhões deunidades", informou o Programa Nacional de DST/Aids emcomunicado. Segundo o governo, o empreendimento surgiu da "necessidadede investir na indústria nacional de produção de preservativospara reduzir a dependência de importação", e envolve ainda omanejo sustentável da floresta, o uso racional dos recursosnaturais e a incorporação de tecnologia às populaçõesextrativistas. O Brasil importa quase 100 por cento das camisinhasdistribuídas pelo Ministério da Saúde, especialmente da Ásia.Atualmente há no país três produtores privados de camisinhas. Outro motivo que impulsionou a construção da fábrica,segundo o governo, é o fato de o Brasil ser rico em látex. A Natex é a única fábrica do mundo a utilizar látexextraído de seringais nativos da Amazônia. Atualmente, todo olátex empregado na confecção de preservativos sai de fazendasde cultivo, especialmente do sudeste da Ásia. O empreendimento no Acre envolve 550 famílias da ReservaExtrativista Chico Mendes, responsáveis pela extração do látexpara produzir o preservativo. O ministério estima que, até ofim de 2008, o número de famílias poderá chegar a 700. O Acre já desenvolve um amplo programa de incentivo aodesenvolvimento da cadeia produtiva de borracha natural,matéria-prima usada na fabricação da camisinha e o principalproduto extrativista do Estado. (Por Maria Pia Palermo)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.