Jefferson Rudy/ Agencia Senado
Jefferson Rudy/ Agencia Senado

Governo mantém diálogo com Pfizer e aguarda negociações sobre vacinas em consórcio internacional

Imunizante apresentou eficácia de mais de 90%, conforme uma análise preliminar divulgada nesta segunda-feira

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

09 de novembro de 2020 | 14h50

BRASÍLIA – O Ministério da Saúde mantém negociações com a farmacêutica Pfizer, além de outras produtoras de vacina contra a covid-19. O imunizante da Pfizer apresentou eficácia de mais de 90%, conforme uma análise preliminar divulgada nesta segunda-feira, 9.

A droga está em fase final de testes e precisa de aval de agências sanitárias, como a brasileira Anvisa, para chegar à população. Em nota, o ministério disse que “todas as vacinas em estudos avançados no mundo estão sendo analisadas, inclusive a do laboratório Pfizer”. 

"Atualmente, o Ministério acompanha cerca de 254 pesquisas, algumas com testes já bem avançados. Todas as apostas necessárias serão feitas para achar uma solução efetiva, em qualidade e quantidade necessárias para imunizar a população brasileira”, disse o ministério.

Vale lembrar que em julho o presidente Donald Trump, dos Estados Unidos, fechou um acordo com as farmacêuticas para comprar, ainda em 2020, 100 milhões de doses da vacina contra a covid-19. Então é bem provável que em um primeiro momento o imunizante fique restrito aos moradores dos EUA.

O discurso no ministério é de que o governo comprará a primeira vacina segura que chegar ao mercado. O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, já determinou o Ministério da Saúde a manifestar que estava vetada a compra da Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, pois quem lidera as tratativas para o acesso da droga no Brasil é o governador paulista João Doria (PSDB). 

O governo brasileiro fechou contrato para compra de 100 milhões de doses do imunizante feito pela AstraZeneca/Oxford. Em outra frente de atuação para encontrar uma vacina, o Brasil espera receber doses para 10% da população por meio do consórcio Covax Facility, liderado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Segundo fontes da Saúde, além das doses já encomendadas da AstraZeneca/Oxford, caso outra vacina também seja considerada confiável, a ideia é comprá-la por meio de um contrato direto com a desenvolvedora ou por meio do consórcio internacional.

Nos últimos meses, o ministério recebeu diversas produtoras de vacina, como os desenvolvedores russos da Sputnik V, a Pfizer e representantes da Sinovac.

O governo federal investiu cerca de R$ 2 bilhões para viabilizar a compra do produto da AstraZeneca/Oxford, além da produção da droga no Brasil, que exigiu adequações em laboratórios da Fiocruz. Já o custo para entrar no Covax Facility foi de R$ 2,5 bilhões. 

Segundo uma autoridade de saúde que acompanha discussões do consórcio, e afirmou em caráter reservado, um edital deve ser lançado em breve para que empresas informem quantas doses conseguem produzir e em qual período. A ideia é que o portfólio fique à disposição dos países que integram o grupo e permita o acesso às vacinas mesmo a países mais pobres.

Além dos compromissos com os governos, a Pfizer e a BioNTech expressaram interesse pelo possível fornecimento da vacina ao Covax Facility, consórcio global de imunizantes da Organização Mundial da Saúde (OMS) que pretende garantir acesso rápido, justo e igualitário às vacinas quando estiverem prontas. A aliança visa fornecer aos governos acesso antecipado a um grande portfólio de vacinas candidatas, usando uma variedade de plataformas de tecnologia, produzidas por vários fabricantes em todo o mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.