Governo paulista só vai produzir 'pílula do câncer' para pesquisa

Primeiro lote, com 70 mil cápsulas, começará a ser produzido em Cravinhos nos próximos dias; Uip ainda critica liberação

Fabiana Cambricoli, O Estado de S. Paulo

16 Abril 2016 | 05h00

O secretário estadual da Saúde de São Paulo, David Uip, disse nesta sexta-feira, 15, ser contra a liberação do uso da fosfoetanolamina sem comprovação de sua eficácia e afirmou que o laboratório contratado pelo governo estadual para produzir cápsulas que serão usadas em pesquisas clínicas não fornecerá o produto para pacientes que não estiverem participando dos estudos.

“A secretaria está comprando a síntese desse sal por contrato de um laboratório privado para uso exclusivo em pesquisa. E nem poderia ser diferente, porque há um pedido de registro de patente dos pesquisadores. Então, não podemos entrar na seara da discussão de algo que pretende ser patenteado e provavelmente vai ser explorado por pesquisadores ou por laboratórios privados. Isso não tem nada a ver com o Estado de São Paulo”, afirmou.

O secretário disse ainda que a liberação da pílula só deveria acontecer após a conclusão dos estudos. “Sou absolutamente contra (a liberação). Não vou desdizer minha história. Além de secretário, eu sou professor de Medicina e fiz pesquisa a vida inteira. O Estado de São Paulo resolveu dar uma solução para isso ao fazer a pesquisa clínica por meio de um projeto muito bem elaborado pelo Icesp (Instituto do Câncer do Estado de São Paulo), que vai se iniciar assim que o laboratório responsável pela síntese da fosfoetanolamina der para a Furp (farmácia do Estado) encapsular.

Segundo o laboratório PDT Pharma, de Cravinhos, responsável pela produção, o primeiro lote da fosfoetanolamina sintética que será usado na pesquisa do Icesp começará a ser produzido nos próximos dias. O lote inicial renderá 70 mil cápsulas. Os testes devem começar ainda neste mês e, no total, a primeira etapa do projeto prevê a fabricação de 360 mil cápsulas. / COLABOROU RENE MOREIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.