Paulo Vitor/AE
Paulo Vitor/AE

Governo promete normalizar distribuição de remédios contra aids

Portadores de HIV sofrem com a falta de quatro medicamentos antirretrovirais em todo o País

Agência Brasil

28 Abril 2010 | 15h02

Diante dos diversos protestos realizados nesta quarta-feira, 28, em 18 Estados do País, o Ministério da Saúde afirmou que a distribuição dos medicamentos antirretrovirais utilizados no tratamento de pacientes soro positivos começará a ser normalizada na próxima semana.

 

Veja também:

linkApós 20 anos, China libera entrada de estrangeiros HIV positivos no país

linkZuma revela que não tem aids e encoraja sul-africanos a fazer teste

 

A assessoria do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do ministério informou que a entrega do Abacavir deve se normalizar na próxima semana. O medicamento importado chegou nesta terça-feira ao País, mas ainda precisa passar pela inspeção da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) antes de ser redistribuído.

 

A falha na distribuição teria ocorrido porque o laboratório responsável pelo medicamento demorou a se adequar a algumas normas estabelecidas pela Anvisa. Após a adequação, o produto não pôde chegar ao Brasil devido à crise área na Europa.

 

Sobre o outros medicamentos de fabricação nacional, a assessoria explicou que a redução no estoque foi causada por atraso na fabricação.

 

Por meio de nota, o ministério informou que a distribuição da produção entre os laboratórios nacionais já foi reprogramada para garantir o abastecimento regular da rede e a recomposição dos estoques.

 

Desde dezembro, os portadores de HIV sofrem com a falta do medicamento Abacavir, além da redução do estoque de mais três remédios: o Lamivudina, Efavirenz e Zidorrudina. Em Brasília, os manifestantes foram recebidos pelo coordenador do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Eduardo Bezerra, e pela secretária executiva do Ministério da Saúde, Ieda Diniz.

 

Drama dos portadores

 

O aposentado Lucier Pereira, morador de Ceilândia, cidade do Distrito Federal a 26 quilômetros doe Brasília participou da manifestação. Usuário do Abacavir, ele precisou substituir o medicamento por outro, o Biovir. No entanto, o remédio contém em sua composição o AZT, substância a qual Lucier apresenta intolerância. "Além de não ter o mesmo resultado do Abacavir, sofro com efeitos colaterais como náuseas e vômito."

 

Entre os manifestantes estava também o cabeleireiro Alex Fabiano de Souza, dirigente do Grupo de Apoio a Portadores da Aids de Montes Claros (MG). "Minha ONG tem 15 crianças que sem os remédios podem morrer", disse.

 

Segundo a dirigente do Movimento Nacional das Cidadãs Positivas com sede em Brasília, a psicóloga Regina Cohen, problemas na distribuição não são frequentes, mas preocupam muito os portadores de HIV. "Questionamos o que é que causa isso, se é má gestão ou falta de dinheiro. Será que no próximo governo esse programa vai continuar? Hoje somos dependentes desses medicamentos. Eles são nossa saúde e qualidade de vida.", ressaltou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.