Governo recomenda adiar viagens a Chile e Argentina

Segundo o ministro José Gomes Temporão, medida se justifica por critérios epidemiológicos

23 Junho 2009 | 15h11

O Ministro da Saúde, José Gomes Temporão, recomenda que idosos com 60 anos ou mais, crianças com até dois anos de idade e pessoas com baixa imunidade adiem viagens ao Chile e à Argentina para prevenir infecções pelo vírus Influenza A (H1N1), a gripe suína.

 

Veja também:

link Casos de gripe suína dobram

link Quem vem da Argentina e Chile tem de fazer declaração

link País reforça fiscalização da gripe

link Mundo registrou 7,9 mil casos com 51 mortes no fim de semana, informa OMS

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

De acordo com o ministro, citado em nota emitida pelo ministério, a recomendação foi definida com base em critérios epidemiológicos, uma vez que há grande número de casos da nova gripe, no Brasil, de pessoas que voltaram de viagem a esses dois países.  Como se trata de uma recomendação, ela pode vir a ser estendida a outros países com quadros semelhantes aos do Chile e da Argentina.

 

Temporão ressaltou que o Ministério da Saúde não determinou a proibição de viagens para países afetados pela doença. Segundo ele, deve haver "prudência e bom senso nesse momento", uma vez que as férias estão chegando, o que aumenta a circulação de turistas brasileiros em países com casos confirmados da doença. "Essa é uma medida adicional e de prevenção", afirmou o ministro.

 

"No Brasil, não há transmissão sustentada, mas todos os casos autóctones têm vinculo com infecção contraída fora do País".

 

 Mais cedo, a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo já havia recomendado que as pessoas evitassem viajar para a Argentina e o Chile, em razão do risco de contágio pelo vírus. A recomendação paulista também é válida para os demais países da América do Sul que registram transmissão da doença.

 

As recomedçaões estadual e federal são mais fortes que as adotadas internacionalmente.

 

 Mesmo após a declaração de uma pandemia plena da doença, a Organização Mundial da Saúde (OMS) não recomendou restrições a viagens, e já anunciou que pedirá explicações ao Brasil sobre o an´´uncio desta terça-feira.

 

Situação no Cone Sul

 

 Chile e Argentina são os países mais afetados pela doença, até agora, na América do Sul. Representantes da OMS já haviam alertado para um aumento da vulnerabilidade do continente ao vírus H1N1, com a chegada do inverno austral.

 

A Argentina já contabiliza dez mortes provocadas pela doença no país. O Ministério da Saúde reportou ainda 95 novos casos da gripe, elevando o número de contagiados para 1.213. O Comitê de Crise da gripe, presidido pelo chefe do gabinete de ministros, Sergio Massa, deve se reunir na quarta-feira, 24, para analisar medidas para conter a propagação do vírus AH1N1 no país.

Já o Chile registra sete mortes atribuídas à doença. Segundo os últimos números oficiais divulgados pelo Ministério da Saúde chileno, a gripe se estendeu a todas as regiões do Chile e os contagiados chegam a 4.315, incluindo somente os casos confirmados com diagnóstico de laboratório.

 

 

Mais conteúdo sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.