Myke Sena/MINISTÉRIO DA SAÚDE - 17/12/2021
Myke Sena/MINISTÉRIO DA SAÚDE - 17/12/2021

Governo federal anuncia que vai doar 10 milhões de vacinas contra a covid-19 a outros países

Ministro da Saúde adiantou que o presidente Jair Bolsonaro já editou Medida Provisória, porém, não informou quando será publicada nem qual imunizante será doado

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2021 | 12h38

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou nesta segunda-feira, 20, a edição de uma Medida Provisória (MP) que autoriza o governo federal a doar até 30 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 a outros países por meio do mecanismo Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS). Neste primeiro momento, a doação será de 10 milhões de injeções, afirmou o ministro. Não foi informado, no entanto, qual imunizante será doado nem quando o texto será publicado no Diário Oficial da União (DOU) - procedimento para dar força imediata de lei à MP, que precisa ser chancelada pelo Congresso em até 120 dias. 

“O presidente Bolsonaro editou MP cujo objetivo é autorizar o Executivo federal a doar vacinas contra covid-19 a outros países em caráter de cooperação humanitária internacional”, afirmou Queiroga ao lado do ministro interino das Relações Exteriores, embaixador Paulino Franco de Carvalho Neto.

A estratégia de cooperação internacional vem no momento em que o governo antecipa a aplicação de doses de reforço e discute a imunização de crianças de 5 a 11 anos com a vacina da Pfizer, estratégia que já tem aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Na sexta-feira, 17, o ministro contrariou cientistas e disse que imunizar os mais novos não é "consensual". As doses pediátricas da Pfizer são diferentes das aplicadas nos maiores de 12 anos - o Brasil não possui essas doses. 

De acordo com Queiroga, o Ministério da Saúde consultará o Itamaraty para definir os países beneficiários e a quantidade de imunizantes a ser distribuída para cada um. “Doações não comprometerão nossa bem sucedida estratégia de vacinação”, disse o ministro. “Só estaremos seguros quando todos estiverem seguros”, acrescentou. 

O chefe da Saúde ainda classificou o aumento de casos da variante Ômicron do coronavírus no exterior como “preocupante”, o que reforçaria a necessidade de doar vacinas para outros países. No Brasil, já há ao menos 19 casos confirmados da nova cepa com transmissão comunitária. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.