Grandes terremotos não ocorrem em cadeia, dizem cientistas

Os grandes terremotos ocorridos nos últimos 30 anos não desencadearam pesada atividade sísmica em cadeia mundial, afirmaram nesta segunda-feira cientistas dos Estados Unidos.

REUTERS

28 Março 2011 | 21h13

Mas grandes sismos de fato provocam outros grandes nas imediações e outros menores em áreas distantes, disseram pesquisadores.

A informação é tranquilizadora para a Califórnia e outras áreas propensas a terremotos, que se perguntam se o sismo de 9,0 de magnitude que causou tantos danos no Japão poderia apressar abalos em outras regiões.

Cientistas do Serviço Geológico dos EUA e a Universidade do Texas, em El Paso, examinaram se terremotos de magnitude 7 ou mais foram seguidos de tremores de magnitude 5 ou maiores do que isso em outras partes do mundo.

"Com base na evidência encontrada em nossa pesquisa, não achamos que grupos de terremotos grandes no mundo sejam algo mais do que uma coincidência", disse em um comunicado Tom Parsons, um geofísico do Serviço Geológico e autor de um estudo divulgado na Nature Geoscience.

Grandes terremotos foram observados a uma distância de duas vezes o comprimento da falha de um grande abalo, embora tremores menores possam ser desencadeados a uma distância maior, diz o estudo.

(Reportagem de Peter Henderson)

Mais conteúdo sobre:
CIENCIA TERREMOTO ESTUDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.