Grávidas com câncer têm tratamento especializado no HC de SP

O obstetra, Valdemir Rezende, alerta que as mulheres não podem deixar de se tratar porque estão grávidas

Carina Urbanin, Agência Estado

10 de julho de 2008 | 20h36

Grávidas com câncer encontram apoio no Ambulatório de Tumores do Hospital das Clínicas (HC) de São Paulo. A pedagoga Marileide Franzine, de 42 anos, descobriu que estava grávida quando fazia tratamento de câncer de mama. Após a quinta gravidez sem sucesso e com o delicado estado de saúde, ela foi encaminhada ao HC de São Paulo para tratamento especializado. Marileide então conseguiu seguir sua sexta gravidez, hoje, seu primeiro filho, Grabriel Vinícius, já tem mais de um ano de vida. O ambulatório especializado, criado em 2001, atende gratuitamente todas as terças-feiras e com vagas ilimitadas, grávidas com diagnóstico ou suspeita de câncer. O obstetra e coordenador do ambulatório, Valdemir Rezende, alerta que as mulheres que têm câncer não podem deixar de se tratar porque estão grávidas. Segundo ele, nesta situação, o tratamento é ainda mais necessário, pois na maioria dos casos exige parto antecipado. "O tratamento deve ser iniciado o mais breve possível, por isso, nosso atendimento é imediato. A paciente sempre é atendida na terça-feira seguinte do dia que entrou em contato com o centro", disse. O médico explicou que os medicamentos aplicados às mães também têm efeito nos bebês que estão sendo gerados, evitando que este possa nascer com qualquer problema decorrente do câncer da mãe. De acordo com Rezende, os tipos de câncer mais comuns em grávidas são os de mama e ovário. Ele ressaltou que 90% das grávidas com câncer de mama que procuram atendimento no ambulatório conseguem ser curadas e terem seus filhos normalmente. Nos casos de câncer de ovário, segundo o médico, o índice de cura chega a 100%, quando o diagnóstico é precoce, ressaltou. O Ambulatório de Tumores atende uma média de quinze grávidas com câncer toda terça-feira. Nos casos de cirurgias, o procedimento pode ser marcado para qualquer dia da semana. As consultas podem ser agendadas pelos telefones 30696380 e 30696103.

Tudo o que sabemos sobre:
câncermaternidadesaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.