Grávidas com zika têm 1% de chance de ter filho com microcefalia

Pesquisa foi feita a partir de casos na Polinésia Francesa; autores ponderam que risco pode diferir de uma epidemia para outra

O Estado de S. Paulo

15 Março 2016 | 21h29

Uma de cada cem mulheres infectadas pelo vírus da zika durante o primeiro trimestre da gravidez pode dar à luz um filho com microcefalia, proporção 50 vezes superior ao normal, conforme o primeiro estudo científico que quantifica esse risco, realizado pelo Instituto Pasteur da França e relatado nesta terça-feira, 15, pela revista médica The Lancet.

“O primeiro trimestre é o mais crítico”, avaliou o doutor Simon Cauchemez, principal autor da pesquisa. A estimativa tomou por base análise de casos de gravidez e nascimentos durante o surto de 2013 e 2014 na Polinésia Francesa. Os autores alertaram que o risco, calculado por meio de modelos matemáticos e estatísticos, pode diferir para a epidemia atual, dependendo de como o vírus se espalha e de fatores genéticos da população afetada.

A estimativa também não leva em consideração outras anomalias fetais em outros trimestres da gestão. “O 1% que descrevemos aqui não é o fim da história”, advertiu Arnaud Fontanet, coautor do estudo e diretor da Unidade de Doenças Epidemiologia Emergentes no Instituto Pasteur de Paris. 

“Depois que o Brasil começou a relatar casos de microcefalia e sugerir uma ligação com o vírus, os pesquisadores da França e do Taiti voltaram a peneirar relatórios de defeitos congênitos que ocorreram ao longo de dois anos – antes, durante e depois da epidemia na Polinésia Francesa”, disse Fontanet. O Ministério da Saúde do Brasil está investigando 4.231 casos suspeitos de microcefalia e outras alterações do sistema nervoso, sugestivas de infecção congênita. Dos casos já analisados, 745 foram confirmados.

Detalhamento. O surto na Polinésia francesa afetou 66% da população (31 mil pessoas) e o trabalho do Pasteur faz uma retrospectiva de todos os casos de microcefalia em um período de 23 meses entre setembro de 2013 e julho de 2015. Segundo os cientistas, “1% dos fetos ou recém-nascidos de mães infectadas no primeiro trimestre da gravidez têm microcefalia, enquanto o risco normal é de 0,02%, 50 vezes menor”.

“Essa ameaça é mais baixa que em outras infecções virais associadas a lesões cerebrais durante a gravidez”, relata Cauchemez, lembrando que quando a gestante contrai rubéola no primeiro trimestre a possibilidade de complicação grave varia de 38% a 100. “Entretanto, a rubéola afeta menos de 10 gestantes por ano em um país como a França e tem vacina.”

Brasileira. Em um comentário que acompanha o artigo científico, a brasileira Laura Rodrigues, doutora da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, observa que “a constatação de risco mais forte no primeiro trimestre é biologicamente plausível, considerando ainda o calendário de desenvolvimento do cérebro e de transtornos neurológicos”.

Embora mais pesquisas sejam necessárias, os pesquisadores afirmam que esses resultados, aliados a trabalhos de veículos conceituados como The New England Journal of Medicine, sugerem que a recomendação da Organização Mundial da Saúde de que as grávidas devem se proteger de mosquitos Aedes aegypti “é precaução saudável”. / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.