Gripe H1N1 é mais grave entre os jovens, confirma o CDC

Quase um quarto das mortes está ocorrendo entre jovens abaixo dos 25 anos, diz órgão do governo dos EUA

Reuters,

20 de outubro de 2009 | 19h09

Metade dos pacientes hospitalizados com o vírus H1N1 tem menos de 25 anos, uma ilustração clara de que a pandemia está atingindo de maneira desproporcional os jovens, afirmaram autoridades sanitárias americanas nesta terça-feira, 20.

 

De abril a outubro, gripe suína mata 1.368 no País

Gripe H1N1 pode matar muito rápido, dizem pesquisadores

Gripe H1N1 ainda preocupa por sua imprevisibilidade, diz OMS

 

Segundo elas, dados de 27 Estados americanos mostram que 53% das pessoas hospitalizadas com o vírus H1N1 têm menos de 25 anos, sendo que somente 7% têm 65 anos ou mais.

 

"Isso é muito, muito diferente do que vemos na gripe sazonal", afirmou a médica Anne Schuchat, dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), uma agência do Departamento de Saúde americano. "Com a gripe sazonal, cerca de 60% das internações acontecem com pessoas acima dos 65 anos."

 

Ela salientou que os dados estão incompletos, mas disse que, de qualquer maneira, havia uma estimativa para baixo da extensão da pandemia.

 

Uma análise de 292 mortes em 28 Estados americanos mostrou que pessoas mais jovens do que o comum estão morrendo, disse Schuchat.

 

"Quase um quarto das mortes está ocorrendo entre jovens abaixo dos 25 anos. Especificamente, 23,6% dos óbitos estão nesse grupo. Cerca de 65% estão entre pessoas de 24 a 65 anos", afirmou a médica.

Somente 12% das mortes ocorrem entre pessoas acima dos 65 anos. Em um ano normal, esse grupo representaria 90% dos óbitos de gripe.

 

Com a proximidade do inverno no hemisfério norte, outros vírus e infecções começam a aparecer, o que torna o cenário confuso.

Schuchat diz que a gripe está sendo diagnosticada em cerca de 30% de todas as pessoas que apresentam "sintomas de gripe", que incluem tosse, dor de garganta, febre e dores.

 

Quase todos os casos de gripe diagnosticados são do tipo H1N1, e não de gripe sazonal. Schuchat afirma que os testes frequentemente falham em detectar o vírus H1N1, logo a porcentagem pode ser ainda maior.

 

Resfriados comuns, que causam inflamações na garganta, além de outras infecções, podem gerar sintomas similares.

 

O governo americano quer vacinar a população contra os vírus H1N1 e da gripe sazonal ao mesmo tempo, tornando ambas vacinas disponíveis à medida que os fabricantes conseguem sua aprovação.

 

Schuchat diz que a vacina para o vírus H1N1 está sendo disponibilizada aos poucos.

 

"Desde ontem, 12,8 milhões de doses foram disponibilizadas aos estados. Mais da metade é da forma injetável. Então isso é útil, nos dá uma variedade de opções", afirmou.

 

Ela disse que os Estados americanos encomendaram 10,8 milhões de doses até o momento.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suína

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.