AP
AP

Gripe suína assusta o México; mortos podem ser mais de 60

OMS está formando comitê de emergência para verificar se surto constitui ameaça internacional à saúde pública

Associated Press, Reuters e Dow Jones,

24 Abril 2009 | 15h05

Todas as escolas na área metropolitana da Cidade do México receberam ordem para suspender as aulas, nesta sexta-feira, 24. O motivo foi uma epidemia de gripe suína que atinge a região. Já há 20 mortes confirmadas pela doença, e pelo menos outros 40 casos suspeitos. Centenas de pessoas parecem ter sido contaminadas.

 

Veja também:

mais imagens Galeria: Gripe suína

linkBrasil deflagra operação para evitar gripe suína

linkEUA dizem que é tarde para conter doença no país

linkNova cepa de gripe é mistura genética

linkOMS declara-se preparada para agir contra gripe suína

 

O ministro de Saúde, José Córdova, indicou que a medida afeta desde os jardins-de-infância até universidades, públicas ou privadas. A medida foi anunciada pelo governo na noite da quinta-feira, 23.

 

O governo mexicano anunciou que pelo menos 20 pessoas morreram em todo o país, por complicações causadas pelo vírus influenza, nas últimas três semanas. A capital mexicana registrou 13 dessas mortes.

 

Na Cidade do México vivem 20 milhões de pessoas. Em entrevista à emissora Televisa, Córdova reconheceu que se tratava de uma epidemia. O ministro afirmou que se tratava de uma nova variedade do vírus influenza. Não foi informado se trata-se da mesma variedade que ataca porcos, que já infectou pessoas na Califórnia e no Texas.

 

Campanha

 

O governo da Cidade do México informou que está lançando uma campanha massiva de vacinação contra a gripe suína, que possivelmente infectou quase mil pessoas, em casos que ainda estão sendo investigados. "A campanha será destinada a todas as pessoas que não foram vacinadas", afirmou em uma coletiva de imprensa o secretário da Saúde, Armando Ahued. A doença, comum em porcos mas rara em humanos, já infectou sete pessoas também nos Estados Unidos, onde especialistas da área da saúde mostram grande preocupação.

 

"É óbvio que estamos muito preocupados e já estabelecemos centros emergenciais de operação", disse Dave Daigle, porta-voz do Centro de Controle de Doenças e Prevenção, acrescentando que autoridades norte-americanas estão investigando as variantes da doença e devem receber amostras do México que serão testadas em laboratório nos centros localizados em Atlanta e Geórgia. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o vírus da gripe suína já foi registrado nos EUA anteriormente, em 1976, 1986 e 1988.

 

Casa Branca

 

A Casa Branca está acompanhando de perto o aparecimento de um novo tipo de gripe suína nos Estados Unidos e o presidente Barack Obama já foi informado, disse uma autoridade do governo nesta sexta-feira.

 

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA informou que o vírus é uma mistura nunca vista antes de outros vírus que afetam porcos, aves e humanos. Todas os sete norte-americanos que pegaram a doença se recuperaram.

 

Mas a gripe suína também se espalhou para o México, matando ao menos 16 pessoas.

 

OMS

 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou que está formando um comitê de emergência para verificar se o surto de gripe suína que atinge Estados Unidos e México constitui uma ameaça internacional à saúde pública.

 

"A OMS convocará, algum dia em um futuro muito próximo, um comitê de emergência sob o Regulamento Sanitário Internacional, o qual analisará se estes episódios constituem ou não de um evento de saúde pública de preocupação internacional", disse em Genebra à Reuters o porta-voz Gregory Hartl.

 

Hartl também disse que 12 de 18 amostras tiradas das vítimas no México mostraram que o vírus possui uma estrutura genética idêntica ao vírus encontrado na Califórnia. Mas mais informações epidemiológicas são necessárias antes de qualquer mudança ao nível de alerta pandêmico da OMS, atualmente no número 3 de uma escala que vai de 1 a 6.

 

(Atualizada às 19h09)

Mais conteúdo sobre:
gripe suínaMéxicoEUAsaúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.