Gripe suína chega à Argentina; casos no mundo somam 2.371

Balanço divulgado nesta sexta-feira pela OMS ainda não inclui casos confirmados no Brasil e no país vizinho

Efe,

08 Maio 2009 | 09h58

OMS confirma 2.371 casos; previsão é que total atinja 2 bi

GENEBRA - O número de casos de gripe suína confirmados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) atingiu os 2.371 em 24 países, incluindo 44 mortos, segundo os últimos números divulgados pelo órgão nesta sexta. A Argentina confirmou seu primeiro caso da doença, mas o dado ainda não foi contabilizado pela OMS, assim como os quatro casos registrados no Brasil.

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

O México informou sobre 1,112 mil casos do novo vírus gripal confirmados em laboratório, incluindo 42 mortes, diz a OMS.

Os Estados Unidos, acrescentou, reportou a infecção em 896 pessoas (incluindo duas mortes), 254 mais que no relatório da OMS divulgado algumas horas antes. O terceiro lugar por número de casos é ocupado pelo Canadá, com 201 pessoas afetadas. Na Europa, a Espanha apresenta o maior número de doentes (81), seguida do Reino Unido (32).

Em seguida vem Alemanha (10), Nova Zelândia (5), França (5), Israel (6), El Salvador (2), Itália (5), Áustria (1), Hong Kong (1), Colômbia (1), Costa Rica (1), Guatemala (1), Dinamarca (1), Irlanda (1), Holanda (2), Coreia do Sul (2), Polônia (1), Portugal (1), Suécia (1) e Suíça (1).

A organização sanitária repetiu que não recomenda restringir as viagens por causa deste surto de gripe, mas assinala que as pessoas doentes com viagens programados deveriam atrasá-las, enquanto às pessoas que apresentam sintomas gripais após uma viagem lhes pediu para buscar atendimento médico.Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

"Estas recomendações constituem medidas de precaução que podem limitar a propagação de muitas doenças transmissíveis, incluindo a gripe", diz a Organização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.