Gripe suína: China impõe quarentena a 107 britânicos

As medidas contra a gripe suína na China estão entre as mais duras adotadas em todo o mundo

AE-AP, Agencia Estado

20 Julho 2009 | 14h45

Gripe suína se propaga a 'velocidade sem precedentes', diz OMSAutoridades de saúde chinesas colocaram em quarentena 107 estudantes e professores britânicos em um hotel em Pequim, depois de alguns deles terem sido diagnosticados com gripe A H1N1, também conhecida como gripe suína, informou hoje a Embaixada britânica. Nove cidadãos britânicos receberam diagnóstico positivo para gripe suína e foram hospitalizados, informou o comunicado da Embaixada. Oito casos são de estudantes de um grupo que está na China para cursos de imersão na língua e cultura chinesas.

Gripe suína se propaga a 'velocidade sem precedentes', diz OMS

O total de pessoas em quarentena na China divulgado hoje é o dobro do número divulgado pela embaixada no domingo, mas nenhum motivo foi dado para a elevação. Um grupo de estudantes norte-americanos em Pequim, que estão na cidade para um acampamento de voleibol de verão, também está de quarentena na capital, no mesmo hotel, embora alguns tenham sido liberados hoje.

As medidas contra a gripe suína na China são umas das mais duras do mundo. Funcionários usando máscaras embarcam nas aeronaves com aparelhos medidores de temperatura. Se, mais tarde, um paciente é diagnosticado com gripe suína, todos os que estiveram sentados a três fileiras da pessoas são geralmente localizados. Os que são colocados em quarentena recebem permissão para sair se estiverem bem depois de sete dias a partir da data de chegada.

Na Grã-Bretanha, funcionários de saúde pública publicaram muitos conselhos conflitantes sobre a doença, dizendo às pessoas para evitar viajar, manterem-se distantes de aglomerações e até mesmo aconselhando as mulheres a adiar ficarem grávidas até que o vírus torne-se mais brando. Mas alguns especialistas em saúde disseram hoje que esses conselhos podem assustar e confundir o público e são um exagero a um vírus que até o momento sem sido moderado. O secretário de Saúde britânico, Andy Burnham, negou que a resposta do governo ao surto seja confusa e disse que o serviço de saúde tem lidado "espetacularmente bem" com o vírus, que atingiu a Grã-Bretanha mais do que qualquer outro país europeu.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína China Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.