Gripe suína deixa um morto e 60 infectados no Chile este ano

A região mais afetada é a dos Lagos, no sul do país, com 35 doentes pelo vírus H1N1

Agência Brasil

02 Junho 2010 | 18h20

SANTIAGO - Uma pessoa morreu e 60 foram infectadas com o vírus H1N1, no Chile este ano, segundo relatório do Ministério da Saúde divulgado do país nesta quarta-feira, 2.

 

O ministério informou que nove casos da doença são graves. Desses, quatro correspondem à região dos Lagos (sul), quatro à região de Bío Bío (sul) e um à região Metropolitana de Santiago (centro). Os casos correspondem a 62% de homens (37) e a idade média dos contagiados é de 23 anos.

 

Por regiões, a mais afetada é a dos Lagos (sul), com 35 doentes, enquanto na capital do país os casos somam 21.

 

Em 2009, na mesma época, foram contabilizados 360 casos de gripe suína no Chile e uma morte, sendo que no final de 2009 esse número passou para 12.302 doentes e 153 mortos.

 

Segundo as autoridades, embora nas últimas semanas tenha ocorrido um aumento das consultas por doenças respiratórias no país, como é habitual no inverno, no caso específico da gripe A não foi observado um aumento significativo de casos.

 

Como medida preventiva, o Ministério da Saúde do Chile dispôs vacinas para mais de 4 milhões de pessoas, mas até o final de maio apenas 3,15 milhões haviam se imunizado. Ainda estão disponíveis um milhão de doses.

 

A subsecretária de Saúde Pública, Liliana Jadue, anunciou a extensão da campanha de vacinação às duas primeiras semanas de junho, aberta a todos os interessados, que "correspondam ou não aos grupos de risco (pessoas da terceira idade ou com doenças crônicas e menores de dois anos, entre outros), definidos pelo ministério no início do programa".

 

"Como a epidemia de doenças respiratórias ainda não começou, fazemos um chamado a todas as pessoas que queiram se proteger para que compareçam aos consultórios. Enquanto tiverem vacinas disponíveis, as pessoas vão ser vacinadas", disse Liliana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.