Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Gripe suína leva colégio do Rio a suspender aulas

Colégio Santo Inácio, um dos mais tradicionais da cidade, parou por uma semana as aulas de 4.900 alunos

Fabiana Cimieri, de O Estado de S. Paulo e Elvis Pereira, da Central de Notícias,

24 Junho 2009 | 16h39

Com o aumento do número de casos de gripe suína, as medidas de contenção da doença começam a afetar o dia-a-dia da população. No Rio, o Colégio Santo Inácio, um dos mais tradicionais do Rio, em Botafogo (zona sul), um dos mais tradicionais da cidade, suspendeu por uma semana as aulas de 4.900 estudantes, depois da confirmação de dois casos de gripe suína e um terceiro sob suspeita.

 

Veja também:

linkCasos de gripe suína dobram

linkQuem vem da Argentina e Chile tem de fazer declaração

linkPaís reforça fiscalização da gripe

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Inicialmente o Santo Inácio havia suspendido as aulas dos 750 alunos das séries em que estudavam os alunos confirmados ou com suspeita da doença. À tarde, por medida de precaução, apesar de não ser a recomendação do Ministério da Saúde, a direção da escola decidiu suspender todas as aulas dos três turnos até o dia 2 de julho. O primeiro caso, confirmado nesta quarta-feira, 24, foi o de uma aluna do 1º ano que acabou de voltar do exterior. Ela chegou a frequentar a aula por três dias, antes de receber o diagnóstico da doença. Sua irmã, que estuda no 7º ano do ensino fundamental na mesma escola, não viajou, mas também apresentou sintomas e é suspeita de ter contraído o vírus A (H1N1).

 

Um estudante do 9º ano do ensino fundamental, que também está com gripe suína, já estava faltando às aulas, mas só ontem a família informou à direção que a doença havia sido confirmada. Segundo a assessoria de imprensa do colégio, os três estão sendo tratados em casa e estão bem.

 

"É importante que as famílias entendam que não é uma semana de férias. Os alunos devem restringir o contato social, não ir aos cursos de inglês, aulas de esportes, festas. Por mais que para um adolescente isso seja dramático, é importante nesse momento, para evitar a disseminação da doença", disse o assessor de comunicação do colégio, Eduardo Monteiro, único funcionário a comentar o assunto.

 

A direção da escola está orientando as famílias dos alunos a importância de, no período da quarentena, restringir a vida social dos adolescentes, ou seja, que deixem de ir aos cursos de inglês, aulas de esportes e festas. Outra orientação é para que evitem compartilhar o uso de telefones celulares, i-Pods e roupas, hábitos comuns aos jovens.

 

Os laboratórios de Informática e de Ciências foram interditados e os aparelhos de ar-condicionado serão desligados. A orientação é que as janelas e portas fiquem abertas para facilitar a ventilação. A programação das demais salas será mantida normalmente, com o início do recesso escolar marcado para o dia 13 do mês que vem.

 

Escola do Parque

 

Um aluno do nono ano da Escola Parque, na Gávea, teve confirmado o diagnóstico da gripe suína. A família informou à escola sobre a confirmação na terça-feira, 23, e a escola enviou um comunicado aos pais nesta quarta-feira, 24. Os colegas que tiveram contato com ele estão isolados e não comparecem às aulas desde segunda-feira. O resto da escola funciona normalmente, segundo orientação do Centro de Vigilância Estratégica em Saúde (Cievs). O argumento é de que "não ocorreu contato dos demais alunos e funcionários com o aluno acometido nas 24 horas que precederam as primeiras manifestações clínicas, que ocorreram sábado à noite".

 

São Paulo

 

Outros dois colégios em São Paulo também suspenderam as aulas devido às gripe. A unidade Panamby do Colégio Visconde de Porto Seguro, na Vila Andrade, zona oeste de São Paulo, suspendeu as aulas de uma das sete turmas da 6ª série do ensino fundamental após o diagnóstico de que um aluno está com a gripe A(H1N1). A diretora da unidade, Maria Eliza de Lamboy, recebeu a notícia da mãe do garoto na noite de terça-feira, 24. "A mãe disse que ele sente um pouquinho de dor de cabeça, mas está bem". O menino recupera-se em casa.

 

Segundo Maria Eliza, ele não esteve na unidade nesta semana e apresentou os sintomas depois de manter contato com outro infectado fora do colégio. A direção decidiu dar prosseguimento as aulas das demais séries. O início das férias está agendado para a próxima semana. "Estamos atentos. Se for necessário reavaliar isso, (antecipar a data) vamos fazer", garantiu a diretora.

 

A unidade Cantareira do Colégio Objetivo, na zona norte de São Paulo, parou na terça-feira, 23, em razão da confirmação de que uma aluna do 3º ano do ensino médio contraiu o vírus da gripe A(H1N1). "As aulas serão repostas oportunamente", informou a instituição, em nota. O colégio voltará a funcionar no início de agosto.

 

Avião

 

Seis passageiros que chegaram ao Rio na noite da terça-feira, num voo da procedente de Miami, teriam apresentado sintomas da gripe suína durante o desembarque, às 22h45m. Eles foram examinados por funcionários da Anvisa e encaminhados, de ambulância, para um hospital. A assessoria da Secretaria estadual de Saúde não informou se esses casos foram confirmados e nem para onde os passageiros foram levados.

 

Atualizada às 18h09

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A (H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.