Marcos Arcoverde/AE
Marcos Arcoverde/AE

Gripe suína teria matado até 579 mil, aponta estudo

Doença foi muito mais mortal do que acredita a OMS, que contabilizou 18,5 mil vítimas

Reuters

26 de junho de 2012 | 08h57

A pandemia de gripe suína de 2009 matou cerca de 284,5 mil pessoas, quase 15 mais que o totalo confirmado por testes de laboratório na época, aponta um novo estudo de um grupo internacional de cientistas publicado no jornal Lancet Infectious Diseases.

 

De acordo com o a Organização Muncial de Saúde OMS), cerca de 18,5 mil pessoas morreram por causa da doença, mas o estudo sugere que o número pode ser ainda superior ao confirmado e chegar a 579 mil vítimas.

 

A OMS informou que sua estimativa não necessariamente refletia a realidade dos infectados pela doença, uma vez que não contabilizava pacientes sem acesso aos sistemas de saúde e porque o vírus causador da grupe suína nem sempre é identificado após o óbito.

 

O novo estudo também mostra que o impacto pandêmico variou bastante de região para a região, com 51% das mortes ocorrendo na África e no Sudeste Asiático, responsáveis por 38% da população mundial.

 

"Essa pandemia de fato causou muitas mortes", diz a doutora Fatimah Dawood, do centro de Controle de Prevenção de Doenças dos Estados Unidos, que liderou o estudo. "Nossos resultados mostram também a melhor forma de usar os recursos. Se houver umavacina, precisamos ter certeza de que ela chegue às áreas onde a taxa de mortalidade tende a ser maior", aponta.

 

A gripe suína, causada pelo vírus H1N1, infectou sua primeira vítima conhecida no México, em março de 2009. Em abril, a doença havia chegado aos Estados Unidos, quando foi detectada em uma criança de 10 anos. A partir de então, os casos começaram a ser diagnosticados ao redor do mundo, espalhando temores sobre o vírus, que reúne características das gripes suína, humana e aviária.

 

Os cientistas não sabiam quão mortal a gripe era e nem quão rápido se disseminaria, mas a OMS declarou uma pandemia em junho de 2009, quando foram identificados casos em 74 países - inclusive no Brasil. A maioria dos diagnósticos é confiável, mas os especialistas acreditam que a doença foi responsável pela morte de mais pacientes do que se contabilizou.

 

Uma das razões para isso é que "algumas pessoas que contraíram a gripe não têm acesso à rede de saúde", de acordo com Fatimah, o que fez com que a doença não fosse contabilizada pelas autoridades. Além disso, o vírus não necessariamente é identificado no corpo da vítima após a morte. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.