Guia orienta população de SP ao contratar serviços ou fazer compras

Material quer esclarecer se o que é oferecido está de acordo com normas de limpeza, higiene e segurança

estadão.com.br

03 de agosto de 2010 | 17h20

SÃO PAULO - O Guia do Cidadão Vigilante, lançado pela Prefeitura de São Paulo, pretende ajudar a população a saber se os serviços oferecidos na capital estão trabalhando de acordo com as normas de limpeza, higiene e segurança.

Os textos foram produzidos pela Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa), da Secretaria Municipal da Saúde, e traz 13 temas diferentes: Academias, Salões de Beleza, Saneantes, Óticas, Massagem e Estética, Instituições de Longa Permanência de Idosos, Alimentos Perecíveis, Medicamentos, Tatuagem e Piercing, Cuidados ao Comprar Alimentos, Consultórios Médicos e Odontológicos, Cosméticos e Creches.

"O guia é mais um instrumento que a população tem à disposição para que continuemos a melhorar os serviços na cidade de São Paulo", disse o prefeito Gilberto Kassab na cerimônia de lançamento.

Para o secretário Municipal da Saúde, Januario Montone, o material abre um canal mais franco entre a população e o poder público. "Sem a participação da sociedade, não avançamos", afirmou.

Criada em 2003, a Covisa é um órgão que tem como uma de suas missões a fiscalização de normas e legislação sanitária. De acordo com a coordenadora, Inês Suarez Romano, as cartilhas pretendem disseminar a educação sanitária e a comunicação em saúde. "Ao ser informado dos riscos, o cidadão terá condições de avaliar os estabelecimentos, conhecer seus direitos e exigir qualidade. Para garantir a melhoria dos serviços, é preciso que o cidadão cobre", destacou.

O guia está disponível na Praça de Atendimento da Coordenação de Vigilância em Saúde (Rua Santa Isabel, 181, Vila Buarque). A versão para download pode ser encontrada no site da Covisa.

Tudo o que sabemos sobre:
Guia do Cidadão VigilanteCovisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.