H1N1 diminui abraços e beijos nos Estados Unidos, diz pesquisa

Um a cada dez americanos parou de abraçar e beijar amigos ou parentes devido a preocupações com a gripe

AP,

08 Maio 2009 | 18h00

Graças à gripe suína, há relativamente menos abraços e beijos nos Estados Unidos. Cerca de um a cada dez americanos parou de abraçar e beijar amigos próximos ou parentes devido a preocupações com a gripe, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira, 8. O mesmo número parou também de apertar mãos.

 

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

 

Autoridades de saúde enfatizaram outras maneiras de evitar a contaminação, como lavar as mãos com frequência. A pesquisa determinou que cerca de dois terços dos americanos adotaram essas medidas.

 

A pesquisa por telefone também descobriu que cerca de seis em cada 10 americanos não estão preocupados, no momento, se eles ou alguém próximo a eles ficará doente com o vírus no próximo ano. O nível de preocupação tem caído, disse Robert Blendon, da Harvard School of Public Health.

 

No entanto, pais de crianças em idade escolar estão mais preocupados com relação à doença. Muitos deles disseram que as escolas não forneceram informações sobre quais medidas estão sendo tomadas para prevenir a doença.

 

Mais de mil pessoas participaram da pesquisa, que tem uma margem de erro de 3,6% para mais ou para menos.

Mais conteúdo sobre:
gripe suína influenza A(H1N1)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.