Há risco de surto de dengue em quatro Estados, diz Temporão

Bahia, Acre, Espírito Santo e Minas Gerais têm regiões que podem registrar surtos de dengue em 2009

Agência Brasil

05 Março 2009 | 14h05

Os Estados da Bahia e do Acre, a região que engloba as cidades de Vitória e Vila Velha, no Espírito Santo, e a capital mineira, Belo Horizonte, integram a lista de localidades que podem registrar surtos de dengue em 2009. A informação foi divulgada nesta quinta-feira, 5, pelo ministro da Saúde, José Gomes Temporão, que avaliou a situação nas quatro áreas como "crítica".   Veja também: Balanço indica queda de 40% nos casos de dengue do País Casos de dengue caem pela metade na capital paulista Bahia registra 23ª morte com suspeita de dengue Bahia registra 5 mil novos casos de dengue em 2 semanas  Especial: entenda a dengue e veja o balanço de 2008    No Acre, os registros de dengue passaram de 261 casos, entre 1º de janeiro e 13 de fevereiro de 2008, para 5,56 mil no mesmo período deste ano; na Bahia, de 2,9 mil para 9 mil; em Minas Gerais, de 3,5 mil para 6,2 mil; e no Espírito Santo, de 1,1 mil para 5,9 mil.   Em entrevista a emissoras de rádio durante o programa Bom Dia, Ministro, Temporão disse que o aumento se deve, entre outros fatores, à mudança de gestores ocasionada pelas eleições municipais realizadas em outubro do ano passado. Segundo ele, mais de 40% dos secretários de Saúde foram substituídos, o que pode ter colocado em risco a continuidade das ações.   "Tenho certeza de que, em muitos dos municípios em que estamos vendo um aumento importante de casos de dengue, esse fator foi relevante", disse, ao citar o exemplo do Espírito Santo. "Evidentemente que alguma coisa falhou. Um fator importante foi a transição das prefeituras. O que pode ter havido também é que as pessoas tenham relaxado."   Questionado sobre a alta incidência de dengue na Bahia - mais de 11.570 casos foram registrados nos dois primeiros meses do ano -, o ministro afirmou que está preocupado, mas não surpreso, porque já havia municípios em situação de risco no estado. Temporão disse ter "certeza absoluta" de que houve descontinuidade na política de combate ao vetor da doença por parte dos prefeitos.   "Nessa mudança de gestão, muitas vezes, o calor da disputa eleitoral prejudica a boa implementação de políticas sociais. Não faltaram recursos. Estamos gastando R$ 1 bilhão com a dengue no Brasil. Aumentei em R$ 200 milhões os recursos para este ano. Fizemos treinamento de milhares de médicos e enfermeiros para que o diagnóstico seja feito precocemente."   Em relação ao Acre, o ministro lembrou que o estado apresenta características climáticas que são uma espécie de "complicador" no combate à doença. Segundo ele, a situação poderia ser mais grave. Diante do alto número de casos a serem confirmados, Temporão avaliou que a estratégia agora deve ser a de evitar mortes por meio do diagnóstico precoce.

Mais conteúdo sobre:
dengue saúde Brasil José Gomes Temporão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.