HC faz alerta sobre mal de Alzheimer, que atinge 700 mil brasileiros

Após os 80 anos, prevalência da doença é de 15%; dia mundial é nesta terça-feira, 21

estadão.com.br

20 Setembro 2010 | 18h32

SÃO PAULO - Nesta terça-feira, 21, Dia Mundial do Mal de Alzheimer, neurologistas do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da USP, alertam para essa doença neurológica degenerativa que atinge 5% da população com mais de 65 anos.

 

Veja também:

linkSP prepara palestras e oficinas para orientar idosos e cuidadores sobre Alzheimer

Após os 80, a prevalência do problema, que ainda não tem causa conhecida, é de 15%. No Brasil, estima-se que 700 mil pessoas sofram desse tipo de demência.

O diagnóstico precoce e o tratamento adequado garantem ao paciente uma vida mais longa e com maior qualidade. Avaliações neuropsicológicas, fonoaudiológicas e exames de neuroimagem são os principais instrumentos para uma rápida comprovação.

"Quanto mais cedo o Alzheimer for identificado, mais tempo o paciente manterá suas funções cognitivas preservadas", explica o neurologista Ricardo Nitrini, coordenador do Centro de Referência em Distúrbios Cognitivos (Ceredic) do HC.

O Alzheimer é uma doença que causa a morte gradual dos neurônios, provoca perda de memória e de outras funções cognitivas, como raciocínio, juízo crítico e orientação.

No início, a pessoa apresenta pequenos lapsos de memória, alterações de comportamento, desorientação espacial e dificuldades para realizar tarefas corriqueiras, como se alimentar e se vestir. Nos estágios mais avançados, o paciente já não reconhece os familiares nem os amigos. Com o tempo, perde a identidade e se torna dependente.

A assistência para melhoria dos sintomas deve variar de acordo com cada fase desse processo, explica Nitrini, uma vez que não há tratamento capaz de impedir ou curar a doença.

Nas etapas iniciais e intermediárias, predominam as técnicas de reabilitação, as táticas de readaptação e os psicofármacos. No estágio avançado, o tratamento é voltado para a coexistência de doenças (comuns em pacientes com problemas crônicos) e para os cuidados de enfermagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.