David Mercado/Reuters
David Mercado/Reuters

Hemocentros querem estimular doação de sangue durante a Copa do Mundo

Estoques caem até 40% nesta época; hemocentros de SP funcionam normalmente nos dias de jogo

estadão.com.br

14 Junho 2010 | 16h46

SÃO PAULO - O Hemocentro de São Paulo quer aproveitar a Copa do Mundo para estimular o paulistano a doar sangue em dias de partidas de futebol. Nos dias de jogos da seleção brasileira, os hemocentros do Estado funcionarão normalmente. Aos domingos, o posto da Fundação Pró-Sangue do Hospital das Clínicas fica aberto. Em geral, as doações de sangue caem 40% em época de Copa do Mundo.

 

Segundo o coordenador da Hemorrede estadual, Frederico Carbone Filho, nos dias de jogos do Brasil as doações diminuem porque as pessoas ficam mais em casa e nas empresas para assistir às disputas. "Estamos convidando as pessoas a torcerem pelo Brasil doando sangue. No Hemocentro de Marília, por exemplo, teremos aparelhos de televisão sintonizados nos jogos como forma de incentivar a população a doar sangue e ver os jogos ao mesmo tempo", afirma.

 

Outro fator que contribui com a diminuição no número de doações de sangue é a proximidade do inverno. De acordo com dados da Secretaria de Saúde de São Paulo, as doações chegam a despencar 30% com a queda de temperatura.

 

Carbone ressaltou que neste período as pessoas ficam mais desmotivadas e retraídas em casa. Ele lembrou ainda do período de férias escolares em julho. "Temos os quadros respiratórios virais. Uma pessoa com gripe está impedida de doar sangue por pelo menos seis dias", explica.

 

O especialista afirma que os estoques reguladores de sangue ficam comprometidos com a diminuição das doações, o que resulta num impacto no sistema hospitalar. "A demanda pelo sangue é constante, muitos pacientes precisam do sangue em diversas situações de doenças clínicas, como insuficiência renal crônica, doenças hematológicas, algum tipo de câncer em tratamento, sem contar as urgências e emergências", destaca.

 

Carbone diz que a doação de uma pessoa pode salvar até quatro vidas, porque o material coletado é fracionado em quatro elementos (glóbulos vermelhos, plasma, plaquetas e crioprecipitado). "Cada um desses elementos é utilizado de forma diferente."

 

Para ser um doador, basta ter entre 18 e 65 anos e pesar mais de 50 quilos. É recomendável que o doador esteja descansado e alimentado.

 

Ao todo, o Estado de São Paulo tem seis hemocentros: a Fundação Pró-Sangue, na capital; em Campinas, Ribeirão Preto, Botucatu, Marília e São José do Rio Preto. Há ainda outros núcleos de hemoterapia particulares espalhados pelo Estado que agem em parceria com a Secretaria da Saúde.

 

A lista de endereços de todos os postos de coleta de sangue de São Paulo pode ser consultada no site www.saude.sp.gov.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.