Hidrogel usado por modelo está irregular desde março

Hidrogel usado por modelo está irregular desde março

Produto da marca Aqualift está sem registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária; Andressa Urach está internada desde o dia 29

O Estado de S. Paulo

04 Dezembro 2014 | 00h05

O hidrogel da marca Aqualift está sem registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) desde março. O produto é o mesmo usado pela modelo e apresentadora Andressa Urach, de 27 anos, que está internada desde o dia 29 na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Nossa Senhora da Conceição, em Porto Alegre. 

Ela apresenta processo de infecção em decorrência da aplicação de hidrogel nos membros inferiores, realizada há cinco anos em uma clínica. A substância só pode ser usada por médicos para pequenos procedimentos, como cicatrizes e preenchimentos na face.

Segundo a Anvisa, qualquer medicamento no País deve fazer a revalidação de seu registro a cada cinco anos. A Aqualift, porém, perdeu o prazo. De acordo com a agência, a empresa já entrou com novo pedido e passará novamente por todas as etapas até obter o documento.

A Anvisa reitera que considera o produto clandestino por causa da falta de renovação do registro e não por problemas na qualidade do hidrogel. Se a substância for flagrada sendo produzida ou comercializada no período em que está irregular, a empresa pode ser processada e até fechada, segundo a agência. 

Internada. Nesta quarta, os médicos informaram que Andressa apresentou discreta melhora em seu quadro de saúde. Ela voltou a respirar sem ajuda de aparelhos. Segundo a equipe que cuida da apresentadora, ela está “despertando e respirando espontaneamente”, mas seu estado ainda é considerado grave. Andressa permanece na UTI.

Os médicos desmentiram boatos e disseram ainda que a modelo não sofreu parada respiratória nem teve sua perna amputada. / ANA VINHAS e LUCAS AZEVEDO, ESPECIAL PARA O ESTADO

Mais conteúdo sobre:
Hidrogel Anvisa Andressa Urach

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.