Dmitry Lovetsky/AP
Dmitry Lovetsky/AP

Histórico banco de sementes russo ameaçado por avanço imobiliário

Organizações internacionais dedicadas à pesquisa agrícola apelaram ao presidente Dmitry Medvedev

Associated Press

20 de agosto de 2010 | 16h08

O primeiro banco de sementes do mundo sobreviveu à 2ª Guerra Mundial porque 12 cientistas preferiram morrer de fome a comer os grãos que estavam sendo preservados para as futuras gerações.

 

Mas agora o banco de sementes do Instituto Vavilov de Indústria Vegetal está em perigo outra vez, por causa de planos, já aprovados pela Justiça, de erradicar seus vastos campos de plantas geneticamente diversas para a construção de casas de luxo nos arredores de São Petersburgo.

 

Organizações internacionais dedicadas à pesquisa agrícola apelaram diretamente ao presidente Dmitry Medvedev para que salve a Estação Agrícola Pavlovsk, que segundo eles pode ser crucial para manter as lavouras de fruta do mundo, à medida que a mudança climática e outras ameaças enfraquecem as variedades existentes.

Medvedev ordenou uma investigação, mas o primeiro lote de terras da estação vai a leilão em 23 de setembro. Cientistas temem que a decisão governamental pode chegar tarde demais.

 

"Se perdermos essas terras... muitos tipos de planta estarão extintos para sempre", disse o chefe da Pavlovsk, Fyodor Mikhovich.

 

A estação agrícola corre o risco de perder 91 hectares onde está um dos maiores campos de frutas e arbustos frutíferos, incluindo quase 1.000 tipos de morango de 40 países, 300 variedades de cereja e quase 900 tipos de cassis.

 

Ele também abriga uma rica variedade de gramíneas e grãos, mas o principal campo de cereais do instituto fica em outro local.

 

Pelo menos 90% das plantas não são mais encontradas em nenhuma outra parte do mundo. A maioria é composta de variedades antigas, que não são mais cultivadas, mas o instituto as mantém para o caso de virem a ser necessárias no futuro.

Levar as plantações para outro campo não é factível, disse o agrônomo Sergei Gandrabur, que trabalha na estação. Ele disse que as plantas prosperam nessas terras, que estão bem protegidas do vento e das enchentes, e podem não sobreviver a um transplante.

 

O fundo federal que supervisiona a construção do conjunto habitacional obteve autorização judicial para se apossar das terras que, segundo seus administradores, não contêm nada de valor. O porta-voz Andrei Tikhonov disse que especialistas visitaram a área diversas vezes e não encontraram nada além de ervas daninhas e capim.

 

"Eles provavelmente têm essa coleção exclusiva, mas não nos nossos lotes", afirmou. O porta-voz acusa o instituto de ter interesse comercial na terra.

A estação foi fundada em 1924 por Nikolai Vavilov, um botânico e geneticista russo que criou o conceito do banco de sementes, um repositório de diversidade genética que poderia ser usado na criação de novas variedades para responder a ameaças à produção de alimentos.

 

Durante a 2ª Guerra Mundial, doze cientistas que tinham acesso ao banco de sementes morreram de fome mas não tocaram as sementes, cereais ou outras plantas que poderiam tê-los salvado. Centenas de milhares de moradores de São Petersburgo, na época chamada Leningrado, morreram durante o cerco da cidade.

 

Vavilov morreu de desnutrição na prisão em 1943, depois de criticar as teorias genéticas infundadas de Trofim Lysenko, que haviam sido adotadas pelo governo soviético.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.