HIV infecta 30% das gestantes sul-africanas

Pouco mais de 30% das gestantes da África do Sul estão infectadas com o vírus HIV, causador da aids, revelou um estudo realizado pelo governo e divulgado hoje. Estima-se que 5,5 milhões de sul-africanos vivam atualmente com a síndrome da imunodeficiência adquirida. A pesquisa, realizada em outubro de 2005 pelo Departamento de Saúde da África do Sul, não mostrou muita diferença em comparação com uma sondagem similar feita em 2004. Entretanto, a pesquisa mostrou uma aparente diminuição do número de novas infecções, disse Manto Tshabalala-Msimang, ministro da Saúde da África do Sul. A pesquisa foi feita com 16.500 mulheres grávidas em todo o país, que tem o maior número de pessoas contaminadas pelo HIV no mundo. Ao todo, a África do Sul abriga mais de 10% das 40,3 milhões de pessoas afetadas pelo vírus da aids no planeta. O governo é sistematicamente acusado de fazer pouco para conter a disseminação da doença, apesar de estar dedicado à ampliação dos programas de tratamento, que recentemente transformaram-se nos maiores do mundo. O presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, já chegou a questionar a relação entre o HIV e a aids, e seu ministro da Saúde causou estarrecimento ao defender que o alho e a beterraba funcionavam melhor para tratar a aids do que os medicamentos anti-retrovirais.

Agencia Estado,

21 de julho de 2006 | 14h10

Tudo o que sabemos sobre:
notícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.