Pamela Tulizo / AFP
Pamela Tulizo / AFP

Homem morre de ebola em Goma, na República Democrática do Congo, o 1º caso da doença na cidade

Vítima era um pastor evangélico que chegou de ônibus no domingo à região e estava sendo transferido a Butembo

Redação, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2019 | 09h36

KINSHASA - Um homem que havia sido diagnosticado com ebola em Goma, o primeiro caso da doença registrado na cidade do leste da República Democrática do Congo (RDC) - morreu enquanto era transferido a Butembo, informou uma fonte oficial nesta terça-feira, 16.

“Infelizmente confirmo a morte do paciente durante o trajeto até Butembo”, um dos focos da epidemia da doença, afirmou a jornalistas o governador da Província de Kivu do Norte, Carly Nzanz.

A vítima é um pastor evangélico que chegou de ônibus no domingo a Goma, tornando-se o primeiro caso confirmado de ebola em uma grande cidade da RDC.

Durante sua missão em Butembo, o homem pregou em sete igrejas e começou a sentir os primeiros sintomas no dia 9 de julho, razão pela qual foi tratado por uma enfermeira na casa dele até que partiu a Goma três dias depois, segundo informações do Ministério de Saúde congolês.

Uma vez em Goma, e após comparecer voluntariamente a um centro de saúde, ele foi transferido ao Centro de Tratamento do Ebola (ETC) da cidade, onde testou positivo para o vírus e as autoridades decidiram levá-lo de volta a Butembo para receber um tratamento mais adequado.

A confirmação do primeiro caso de ebola na cidade de Goma, com mais de 1 milhão de habitantes, aumentou a preocupação de que o surto possa se estender a outras metrópoles ou países limítrofes.

"O risco de propagação continua sendo grande e a equipe (da FICV) se encontra em alerta máximo", disse a coordenadora para o vírus do ebola da Federação Internacional da Cruz Vermelha (FICV), Nicole Fassina.

"Se todos os cidadãos cumprirem as medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde, podemos assegurar que este caso de ebola detectado em Goma será isolado e que não causará um novo surto", destacou o ministro da Saúde congolês, Oly Ilunga Kalenga.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) convocou uma reunião do seu Comitê de Emergência para quarta-feira a fim de reavaliar a evolução da epidemia de ebola. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.