Homem paralisado volta a ficar em pé com novo tratamento

Um homem que tinha ficado paralisado depois de um acidente de carro conseguiu ficar em pé e dar alguns passos depois de estimulação elétrica em sua medula espinhal, no que pesquisadores descreveram como avanço no tratamento deste tipo de caso.

LEWIS KRAUSKO, REUTERS

19 Maio 2011 | 21h19

Rob Summers, um ex-jogador universitário de beisebol de 25 anos, também consegue mexer quadril, tornozelos e dedos e recuperou algum controle na bexiga e das funções sexuais, disseram pesquisadores na quinta-feira.

"Isso abre uma oportunidade gigantesca para melhorar a vida diária desses indivíduos ... mas ainda temos um longo caminho pela frente", disse Susan Harkema, principal pesquisadora no estudo da Universidade de Louisville no Kentucky, Estados Unidos. Os resultados foram publicados no jornal médico The Lancet.

"Isso não é uma cura e Rob não voltou a andar. ... No entanto, esta abordagem pode ter impactos", disse. "Ao permitir que as pessoas fiquem em pé por alguns minutos por dia, a saúde deles melhora dramaticamente."

Summers recebeu estímulo direto contínuo na medula espinhal inferior, um processo criado para imitar os sinais que o cérebro normalmente transmite para iniciar o movimento.

Os pesquisadores passaram mais de dois anos treinando novamente a rede neural na medula espinhal de Summers para produzir movimentos musculares. Depois disso, um aparelho para eletroestimulação foi cirurgicamente implantado nas suas costas.

Os autores do estudo alertaram que é preciso mais trabalho antes que a técnica se torne uma prática padrão.

Mas os resultados foram vistos com otimismo por paraplégicos que têm pouca esperança de recuperação. Mais de 5 milhões de norte-americanos vivem com algum tipo de paralisia.

Harkema e os seus colegas esperam que as suas descobertas abram o caminho para que pacientes com problemas na medula espinhal consigam ficar em pé e dar alguns passos usando um andador com auxílio de uma unidade portátil de estimulação.

Mais conteúdo sobre:
CIENCIAPARALISIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.