Homem que chegou a pesar 480 kg leva vida normal aos 240 kg

Embora ele tenha engordado 45 quilos desde a operação e ainda seja obeso mórbido, sua saúde vai bem no geral

AP

15 de agosto de 2008 | 16h02

Os tempos são difíceis para o homem que já pesou mais de 450 quilos, mas Patrick Deuel diz estar tentando manter o pensamento positivo.   "Ah, eu ainda estou respirando", disse Duel, de 46 anos, antes de dar uma grande risada.     Deuel pesou 486 quilos em 2004, e para que pudesse fazer uma cirurgia de redução de estômago, uma das paredes de seu quarto teve que ser derrubada, para que ele pudesse sair e ir ao hospital.   Depois de diminuir seu peso para 168 quilos em 2006, ele estava com 245 quilos na última vez que subiu na balança esse ano.   "Ele tem conseguido sair para fazer as coisas que quer fazer", disse sua mulher, Edie. "Isso é muito melhor que um número em uma balança."   Embora ele tenha engordado 45 quilos nos últimos anos e permaneça um obeso mórbido, sua saúde está boa no geral, disse seu cirurgião, Fred Harris. Se um paciente perde 50% de seu excesso de peso após a cirurgia, ela é considerada um sucesso, disse.   "Patrick ainda pode dirigir", disse Harris. "Desde a última vez que ouvi dele, ainda podia andar de bicicleta, ao invés de estar a 10 dias de morrer."   Deuel diz que força de vontade não é o seu forte. Mesmo sob protestos de seu médico e de sua esposa, ele ainda fuma um maço e meio de cigarros por dia. Também tem um fraco por batatas fritas. "Eu percebo que comer por estresse é algo que eu faço bem", disse.   Deuel está desempregado. Ele disse estar passando por um redirecionamento vocacional para determinar qual o melhor tipo de trabalho para ele. O ex-gerente de restaurante diz nunca mais querer trabalhar com comida. Tentação demais, diz.   O único rendimento do casal é a pensão que ele recebe do serviço social, menos de US$ 600 por mês.   Deuel diz que ajudar sua mulher na casa e procurar um emprego ocupa todo o seu tempo. Quanto à dieta, ele diz "que tudo quanto houver na geladeira é o que eu como."

Tudo o que sabemos sobre:
saúdeobesidadeEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.