AP
AP

Hong Kong liberta 300 hóspedes colocados em quarentena

Estrangeiros ficaram presos 7 dias em hotel; ONU diz que medida de isolar pessoas saudáveis é discriminatória

08 Maio 2009 | 12h10

OMS confirma 2.371 casos; previsão é que total atinja 2 bi

Autoridades de Hong Kong encerraram nesta sexta-feira, 8, a quarentena de uma semana de 300 pessoas em um hotel no qual um mexicano com gripe suína esteve hospedado. Dezenas de mexicanos foram colocados sob quarentena também na China nesta semana por causa do surto da gripe suína, que já infectou mais de mil pessoas no México e provocou 42 mortes no país.

Veja também:

especial Mapa: veja como a gripe está se espalhando

especialEntenda a gripe suína: perguntas e respostas 

video Infectologista esclarece cuidados que serão tomados 

mais imagens Veja galeria de fotos da gripe suína pelo mundo   

som 'Meios de transportes facilitam a propagação'

documento Folheto oficial do Ministério da Saúde 

Os hóspedes aplaudiram e festejaram quando deixaram o hotel Metropark. "Estou muito aliviado agora que saí. Não gostei nada disso, mas fui bem tratado", disse o executivo indiano Kevin Ireland. Outro hóspede, o espanhol Francisco Javier Boada, disse que a quarentena foi muito entediante.

Apesar da raiva inicial provocada pela quarentena, os hóspedes relaxaram ao longo do tempo. Na noite de quinta-feira, uma festa regada a vinho e cerveja animou o hotel. Os hóspedes tiraram as máscaras e dançaram no lobby.

Segundo o jornal South China Morning Post, dois casais se formaram durante a quarentena. Ainda de acordo com o jornal, um dos hóspedes teria levado uma prostituta, que também ficou presa no hotel.

O governo de Hong Kong tentou amenizar o desconforto dos isolados com presentes e ingressos grátis para diversas atrações e diárias grátis após o fim da quarentena.

Críticas

A alta-comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, pediu nesta sexta-feira,8, aos países que não coloquem em quarentena cidadãos mexicanos saudáveis, levando em conta apenas sua nacionalidade, pois isso viola o direito internacional.

"Mexicanos que não tenham sintomas de gripe e não tenham estado no México na última semana claramente não estão mais propensos a serem portadores do (vírus) 'influenza' A-H1N1 do que qualquer outro residente no país onde eles estejam presentes", disse Rupert Colville, porta-voz de Pillay, a jornalistas em Genebra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.