Arquivo AE
Arquivo AE

Hormônio da fome estimula o olfato

Grelina deixa pessoas e animais mais sensíveis aos cheiros

estadão.com.br,

13 Abril 2011 | 17h55

SÃO PAULO - Um hormônio associado à fome, conhecido como grelina, deixa as pessoas e os animais mais sensíveis aos cheiros, revelou estudo conduzido por Jenny Tong e Matthias Tschöp, da Universidade de Cincinnati, e publicado na revista científica The Journal of Neuroscience.

A pesquisa da dupla mostrou que a grelina, produzida principalmente no estômago, se liga às moléculas no bulbo olfativo, que é a parte do cérebro responsável por transmitir as sensações geradas pelos cheiros. Isso sugere que o hormônio tem papel importante no mecanismo de processamento dos odores.

"Acreditamos que a grelina tem um papel importante na interface designada a ajudar na detecção de fontes de energia no meio ambiente e nas ligações sensoriais relacionadas com a regulação do metabolismo e do peso do corpo", disse Jenny Tong. Estudos anteriores mostraram que a grelina ajuda a identificar fontes de nutrientes, principalmente durante jejuns, quando o olfato fica mais sensível.

Para este estudo, os pesquisadores analisaram como ratos e seres humanos reagem aos cheiros a partir da administração de doses do hormônio. Os ratos que receberam a dose extra de hormônio no cérebro cheiraram mais e evitaram água com odor associado a doenças com um frequência maior do que aqueles que não receberam doses de grelina. Já nos humanos, a infusão do hormônio fez com que eles inalassem os cheiros com mais força.

Embora a grelina tenha um papel importante no processo olfativo, vale destacar que não foi verificado mudanças no apelo dos odores, ou seja, ser mais sensível ao cheiro não influenciou no prazer ou desprazer que pessoas ou animais sentiram a partir dos cheiros estimulados pelo estudo.

Mais conteúdo sobre:
hormônio grelina olfato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.