Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Angela Weiss / AFP
Angela Weiss / AFP

Hospitais encontram surpresa em frascos de vacinas para covid-19: doses extras

Farmacêuticos descobriram que podem conseguir uma dose adicional de alguns dos frascos que deveriam conter cinco doses da vacina Pfizer

Katie Thomas, The New York Times

17 de dezembro de 2020 | 18h00

Quando as caixas de vacinas da Pfizer começaram a chegar nos EUA nesta semana, os farmacêuticos hospitalares fizeram uma descoberta surpreendente: alguns dos frascos de vidro que deveriam conter cinco doses continham o suficiente para uma sexta - ou mesmo sétima - pessoa.

A notícia gerou uma onda de trocas de mensagens entusiasmadas no Twitter e em fóruns de farmácias esta semana, enquanto os funcionários do hospital consideravam a possibilidade tentadora de que o fornecimento limitado de vacinas desesperadamente necessárias pudesse ser esticado para atender a mais pessoas.

Porém, isso também desencadeou uma onda de confusão e debate em relação ao uso ou descarte das doses extras. Na Northwell Health em Nova York, por exemplo, um executivo estimou que a rede hospitalar pode ter descartado vacina extra suficiente que corresponderia de 15 a 20 doses enquanto esperava a orientação do Departamento de Saúde do estado.

Na quarta-feira, os farmacêuticos tiveram uma resposta. Em um comunicado, a agência que regulamenta medicamentos e alimentos nos EUA (FDA, na sigla em inglês) afirmou que, “dada a emergência de saúde pública”, era aceitável usar todas as doses restantes de cada frasco. O FDA disse que estava consultando a Pfizer para determinar “o melhor caminho a seguir” e aconselhou as autoridades de saúde a não juntar doses de vários frascos.

“Nunca queremos desperdiçar - desperdício de medicamento, desperdício de vacina”, disse Anna Legreid Dopp, diretora sênior de diretrizes clínicas e melhoria de qualidade da Sociedade Americana de Farmacêuticos do Sistema de Saúde. “Portanto, seria emocionante se essa fosse uma oportunidade.”

A vacina, que foi desenvolvida pela Pfizer e a empresa alemã BioNTech, tem fornecimento extremamente escasso. A Pfizer disse que fabricou vacina suficiente para fornecer pelo menos 25 milhões de doses - o suficiente para 12,5 milhões de pessoas, já que são necessárias duas injeções - aos EUA antes do final do ano, mas as autoridades federais as disponibilizaram cuidadosamente, distribuindo apenas 2,9 milhões de doses a partir desta semana, após o FDA autorizar seu uso de emergência na última sexta-feira.

Devido a vacina ser tão escassa, ela está sendo administrada primeiro aos profissionais de saúde da linha de frente, residentes e profissionais de casas de repouso, e especialistas disseram que a vacina não estará disponível para todos os americanos que desejarem uma até o próximo ano.

Em um comunicado, a Pfizer disse que a empresa estava consultando o FDA a respeito da vacina extra em alguns frascos e não poderia “fornecer uma recomendação sobre o uso da quantidade restante de vacina de cada frasco”. E aconselhou os funcionários que estão aplicando as vacinas a consultar as instituições locais.

Erin Fox, diretora de farmácia sênior de informações sobre medicamentos e serviços de apoio da Universidade de Utah, disse que recebeu um telefonema de farmacêuticos de sua equipe na terça-feira, logo após eles começarem a diluir a vacina com solução salina e colocá-la em seringas.

Um pouco de “conteúdo a mais” em frascos que contêm várias doses é normal, disse ela, mas isso era diferente. “Eles inicialmente pensaram que tinham feito algo errado porque havia sobrado muito no frasco depois que eles extraíram as cinco doses”, disse Erin. “Eles nos enviaram uma foto e perguntaram, podemos usar o extra?”

Erin disse que sua equipe entrou em contato com a Pfizer e também com o Departamento de Saúde de Utah, que, segundo ela, recomendou não utilizar as doses extras porque isso não estava de acordo com as instruções da empresa. Ela disse que as doses foram descartadas, mas que a equipe agora vai começar a usá-las.

Mark Jarrett, diretor de qualidade da Northwell Health, disse na quarta-feira que os médicos que administraram a vacina Pfizer a profissionais de saúde esta semana notaram que alguns frascos continham o suficiente para uma sexta dose. A rede de saúde pediu orientação ao Departamento de Saúde do estado de Nova York para saber se poderia usar o conteúdo excedente.

Jarrett disse que “algumas pessoas usaram a sexta dose, porque não reconheceram o problema quanto a isso”. Mas a Northwell está utilizando apenas cinco doses de cada frasco e descartando a medicação extra - totalizando cerca de 15 a 20 doses na terça-feira.

Ele disse que ainda não tinha visto a orientação do FDA. “Precisamos ver isso documentado em algum lugar, isso nos faria sentir melhor”, afirmou.

Autoridades de saúde do estado de Nova York entraram em contato com o FDA para orientação na quarta-feira de manhã depois de saber do assunto naquele dia, de acordo com um porta-voz do Departamento de Saúde. Em uma ligação na quarta-feira com cerca de 200 profissionais de saúde, o comissário estadual de saúde, Howard A. Zucker, discutiu o assunto e disse que as doses extras poderiam ser usadas.

Michael J. Consuelos, consultor de cuidados de saúde, disse que durante a pandemia de influenza H1N1 em 2009, farmacêuticos hospitalares fizeram uma descoberta semelhante na Lehigh Valley Health Network na Pensilvânia, onde ele trabalhou supervisionando a resposta à pandemia. Essa vacina também era escassa e as autoridades decidiram usar as doses extras.

“O que queremos fazer é fornecer o máximo de doses às pessoas da maneira mais segura e eficiente possível”, disse Consuelos, que afirmou ter participado como voluntário dos testes da vacina Pfizer. Se os profissionais do hospital podem fazer isso com segurança, “então devemos aproveitar essas oportunidades”.

A notícia de que os hospitais podem vacinar mais pessoas do que o esperado também cria novas complicações. As autoridades federais administraram cuidadosamente o fornecimento da vacina, mantendo em reserva doses suficientes para cada pessoa que recebeu a primeira dose receber uma injeção de reforço três semanas depois.

Anna disse que os hospitais que aplicam doses extras terão que garantir que a pessoa terá a segunda injeção esperando por ela. “É aqui que realmente precisamos de sistemas de rastreamento ágeis e sistemas de informação em tempo real para que possamos tomar essas decisões rapidamente”, disse ela.

Mas Anna reconheceu que isso também é um bom problema para se ter. “Estas são algumas das lições que não podemos aprender até que a vacina esteja em mãos”, disse ela. / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.