Reprodução
Reprodução

Hospital Albert Einstein retorna ao Haiti para ajudar no combate à cólera

Médicos e enfermeiros vão capacitar profissionais para atender pacientes e transmitir informações

10 Novembro 2010 | 19h06

SÃO PAULO - Uma equipe do Hospital Israelita Albert Einstein retorna ao Haiti nesta quarta-feira, 10, a convite do governo brasileiro, para prestar auxílio no combate à epidemia de cólera.

A instituição envia médicos e enfermeiros para capacitar profissionais de saúde haitianos, atender pacientes e transmitir à população informações úteis sobre prevenção e tratamento da doença, inclusive sobre produção de álcool gel.

A missão, que a princípio terá duas semanas, integra os esforços da Agência Brasileira de Cooperação (ABC). A ideia inicial era ter partido no último domingo, mas o furacão Tomas acabou adiando a viagem.

Por meio do Instituto Israelita de Responsabilidade Social (IIRS), o Einstein vai doar ao Haiti mais de uma tonelada de medicamentos, além de uma tonelada de brinquedos e alimentos arrecadados pela equipe que integrou a última missão, realizada entre fevereiro e março para auxílio às vítimas do terremoto.

Para dar suporte às ações educativas e de prevenção, serão distribuídos 100 mil exemplares do jornal Sante Magazin, produzido pelo hospital no idioma crioulo com dicas de saúde, higiene, cuidados com membros amputados, depressão e cólera.

O presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, Claudio Luiz Lottenberg; o diretor do IIRS, Alberto Kanamura; e o diretor de Prática Médica do hospital, Oscar Pavão, estão organizando a missão que vai contar com apoio logístico da ABC. Todo o material e a equipe serão transportados pela Força Aérea Brasileira, que deverá usar o avião Hércules nessa logística.

A epidemia de cólera já fez mais de 7 mil casos e matou cerca de 560 pessoas no Haiti. O país ainda sofre os efeitos do terremoto de 12 de janeiro, que vitimou mais de 200 mil habitantes e causou sequelas em quase 1 milhão. As autoridades temem um aumento das infecções após inundações em várias regiões provocadas pelo furacão, que provocou a morte de 20 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.