FÁBIO MOTTA/ESTADÃO
FÁBIO MOTTA/ESTADÃO

Sem verba, hospital da UFRJ suspende parte das atividades

Serão suspensas cirurgias que não sejam de emergência; também deixam de funcionar setores encarregados de remarcar consultas

Constança Rezende, O Estado de S. Paulo

15 Dezembro 2015 | 22h53

RIO - O Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), suspendeu parte de suas atividades a partir desta terça-feira, 15, em decorrência da falta de dinheiro. Segundo a direção da unidade, "o contingenciamento de serviços é a única forma encontrada para garantir que os insumos para o tratamento de pacientes graves não acabe".

O hospital anunciou que serão suspensas cirurgias que não sejam de emergência. Também deixam de funcionar os setores encarregados de suspender e remarcar consultas. O diretor Eduardo Cortes afirmou que, dos 240 leitos do hospital, apenas 150 estão funcionando. "Nossa preocupação agora é com os 16 pacientes que estão no CTI. Temos que transferi-los antes que chegue ao estoque zero de insumos, se nada acontecer", disse Cortes. Contradizendo a informação do hospital, o Ministério da Saúde alegou que os pagamentos estão em dia.

A direção pede aos pacientes que, em vez de procurar o hospital, procurem outros postos de atendimento. Segundo a direção, o hospital recebe pagamentos irregulares desde junho de 2015, gerando inadimplência com os fornecedores, que deixam de entregar os "materiais essenciais" ao funcionamento.

"O déficit, superior a R$ 7,75 milhões, obrigou a direção geral a interromper cirurgias e internações eletivas, desde o dia 30 de novembro. Até o momento, cerca de 115 cirurgias eletivas foram canceladas, o que representa uma média de 17 cirurgias não realizadas por dia. O cancelamento de cirurgias é uma decisão sofrida de ser tomada, mas essencial à manutenção dos atendimentos de urgência. Por ser um hospital de alta complexidade, não pode deixar os estoques chegarem a um ponto crítico de falta de material para acolher esses pacientes em situação mais delicada", informou o hospital, por meio de nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.