Beto Oliveira/AE
Beto Oliveira/AE

Hospital de Pernambuco usa lençóis de hospitais americanos há 4 anos

Governo do Estado determinou o recolhimento das peças encontradas e solicitou auxílio do FBI para apurar a importação de lixo hospitalar

Monica Bernardes, RECIFE, e Tiago Décimo, SALVADOR,

19 de outubro de 2011 | 21h30

O Hospital Regional Belarmino Correia, em Goiana (PE), usa há quatro anos e meio lençóis reaproveitados de quatro hospitais americanos. Após a denúncia, feita pela NETV, da Rede Globo, o governo determinou o recolhimento das peças. E não é apenas lixo hospitalar dos Estados Unidos que está sendo vendido no Brasil. Ontem, policiais militares apreenderam em Ilhéus (BA), 830 quilos de lençóis, fronhas e jalecos com marcas de hospitais e clínicas brasileiras.

 

Segundo a gestora do Hospital Regional Belarmino Correia, Maria da Conceição Moura, as peças foram compradas por R$ 2 o metro de uma confecção local, que, por sua vez, teria recebido o material de Santa Cruz do Capibaribe (PE). Ontem, mais uma loja localizada nesse município foi interditada por comercializar lixo hospitalar americano.Em Ilhéus, o material hospitalar foi encontrado na loja Agreste Tecidos, depois de uma denúncia anônima. De acordo com os policiais, há marca de sangue em parte das peças, que foram levadas para o centro de zoonoses.

 

O filho do proprietário e gerente do estabelecimento, cujo nome não foi revelado, prestou depoimento à polícia na noite desta quarta, 19. Disse que compra o material em São Paulo e revende para clínicas da região.

 

FBI. O governo de Pernambuco solicitou ontem a colaboração da polícia federal dos EUA (FBI) na apuração das denúncias. O pedido do secretário de Defesa Social, Wilson Damázio, foi feito ao cônsul dos EUA no Nordeste, Usha Pitts. Segundo o secretário, além do FBI, a agência ambiental americana poderá enviar um representante ao País para auxiliar. Anteontem, o governador Eduardo Campos responsabilizou a aduana americana por permitir que o lixo hospitalar deixasse o Porto de Charleston, na Carolina do Sul, com destino ao Brasil.

 

No início da semana, a Polícia Federal instaurou um inquérito para apurar as responsabilidades pelo desembarque de contêineres no Porto de Suape com toneladas de lixo hospitalar, que apontam para a prática de crimes de contrabando, ambiental e uso de documento falso.

  Bloqueio de bens. Nesta quarta, o Sindicato dos Comerciários de Santa Cruz do Capibaribe, cidade onde está sediada a empresa supostamente responsável pela importação do lixo hospitalar, entrou na Justiça com uma medida cautelar, pedindo bloqueio do patrimônio do empresário Altair Teixeira de Moura, proprietário da indústria. A intenção é que os recursos garantam o pagamento dos direitos trabalhistas de 26 funcionários da empresa que trabalhavam nos dois galpões que foram interditados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.