Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Hospital devolve rim em garrafa plástica após atrasar exame

Sebastião Mory, de 62 anos, teve o órgão retirado em março e recebeu de volta em um recipiente com rótulo de 'polpa de maracujá'

Agência Brasil, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2019 | 10h05

O Hospital Municipal Raul Sertã, em Nova Friburgo (RJ), devolveu na última quarta-feira, 17, o rim de um paciente em uma garrafa plástica, que ainda tinha um rótulo de "polpa de maracujá", após quatro meses de espera pelo resultado de uma biópsia.

Após discutir com funcionários da unidade, a costureira Maristher Fukuoka, de 56 anos, teve a confirmação de que o exame do marido, o mecânico Sebastião Mory, de 62 anos, ainda não tinha sequer sido realizado e recebeu de volta o órgão que havia sido removido de Mory.

Maristher conta que seu marido sofre com dores nos rins desde o início do ano e chegou a ficar internado em março, quando teve o órgão retirado no dia 20. Segundo médicos, o rim tinha um tumor, e a biópsia esclareceria se o caso era maligno ou benigno.

A partir da alta, Maristher voltou ao hospital periodicamente para saber o resultado, mas era sempre informada de que o exame não estava pronto. Seu marido continuava a sofrer de dores no rim e estava sendo medicado apenas com analgésicos.

No último dia 14, um funcionário revelou a ela por telefone que nenhum exame estava sendo feito por falta de profissionais. Segundo esse funcionário, o rim não tinha sido levado ao laboratório, apesar de os registros do hospital apontarem que ele tinha sido levado ao Rio de Janeiro em 23 de março.

Indignada, ela voltou ao hospital na última quarta-feira. "Falei alto, comecei a ficar revoltada e fiz um escândalo que não sei como consegui fazer. Não sei de onde tirei forças", conta ela, que ainda se sentou no chão e esperou que alguma providência fosse tomada. Funcionários do hospital continuavam a dizer que o órgão tinha sido levado para a biópsia, o que ela rebateu. Para sua surpresa, após muita cobrança, uma funcionária do hospital entregou a ela a garrafa plástica com o rim de seu marido e disse o nome de três laboratórios privados que ela poderia procurar por si mesma.

"Saí do hospital e fiquei muito nervosa andando com aquilo na rua. Não sabia onde levar", conta ela, que foi andando com o marido até um dos laboratórios. "Fui eu e meu marido com aquele pote pela rua, perguntando pelo laboratório que eu nem sabia onde era. Fomos perguntando".

O exame no laboratório particular custou 600 reais e Maristher e Sebastião ainda aguardam o resultado, que deve ficar pronto até 14 de agosto. A costureira conta que já tem um advogado para processar o hospital municipal.

Procurada, a prefeitura de Nova Friburgo reconheceu problemas na realização de biópsias no hospital. "O Hospital Municipal Raul Sertã está com uma demanda reprimida na realização das biópsias devido ao desligamento do profissional que, até então, realizava o serviço. Tão logo possível, a Municipalidade providenciou a contratação de um novo profissional (que já está atuando) para efetuar este tipo de procedimento. Sendo assim, a tendência é que, em breve, este tipo de serviço esteja normalizado na unidade", diz o município.

A prefeitura também afirmou que as peças de biópsia "são normalmente armazenadas em recipientes plásticos comuns, após serem devidamente higienizados e esterilizados". "A respeito do rótulo no recipiente, em que consta escrito "polpa de maracujá", será instaurado um inquérito administrativo para identificar os responsáveis e aplicar as sanções cabíveis".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.