Hospital psiquiátrico é condenado por perder paciente

Claudinei Ribeiro sumiu durante o tratamento e foi encontrado apenas seis dias depois, em uma vala

José Maria Tomazela, de O Estado de S. Paulo,

27 de janeiro de 2009 | 18h52

O hospital psiquiátrico Jardim das Acácias, de Sorocaba, foi condenado a pagar indenização de 300 salários mínimos à família de um paciente que morreu após ter ficado seis dias desaparecido no interior da unidade, em novembro de 2006. O paciente Claudinei Ribeiro tinha sido internado para tratar-se da dependência do álcool e sumiu durante o tratamento. Funcionários do hospital acharam que ele tinha fugido. Ribeiro foi encontrado por acaso, seis dias depois, caído no interior de uma vala, nos fundos do hospital. Ele estava vivo, mas extremamente debilitado e coberto de larvas. Levado para o Hospital Regional, não resistiu a uma parada cardíaca.  A família entrou com ação contra o Jardim das Acácias alegando omissão. Na defesa, o hospital alegou que o paciente tinha fugido e caiu na vala ao tentar retornar, pulando o muro. Ele já estivera internado sete vezes e fugira em outras ocasiões. Na sentença publicada nesta terça-feira, 27, o juiz substituto da 7ª Vara Cível de Sorocaba, Walter Godoy dos Santos Júnior, entendeu que Ribeiro se encontrava na condição de paciente e, estando sob responsabilidade do hospital, ficou sem qualquer assistência durante seis dias, o que culminou com sua morte. Ele condenou o hospital a pagar indenização por danos morais equivalente, em valores atuais, a R$ 124 mil. A diretoria do hospital, mantido com repasses do Sistema Único de Saúde (SUS), informou que entrará com recurso no Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
saúdejustiça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.