Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

Hospital São Paulo perde verba federal e será filantrópico

Informação foi dada por ministério para justificar falta de repasse de recurso destinado a centros universitários

Fabiana Cambricoli, O Estado de S.Paulo

11 Maio 2017 | 03h00

SÃO PAULO - Em meio a uma das piores crises financeiras de sua história, o Hospital São Paulo (HSP), ligado à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), teve suspenso o recebimento de verba federal referente ao Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf) e, segundo o Ministério da Saúde, optou por tornar-se filantrópico. No ano passado, o HSP recebeu R$ 40 milhões via Rehuf.

Em portaria publicada no fim de abril, o Ministério da Saúde definiu os valores de repasse para 49 hospitais universitários federais no País e deixou de fora o Hospital São Paulo. A instituição já havia sido informada que poderia perder a verba por não cumprir todos os requisitos de um hospital desse tipo, como atender somente pacientes do Sistema Único de Saúde.

Procurada nesta quarta-feira, 10, a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), órgão do Ministério da Educação, disse que os recursos do Rehuf foram suspensos para o Hospital São Paulo “até que o comitê gestor do Rehuf decida sobre o tema”. Já o HSP informou, por meio de nota, que é reconhecido como hospital universitário da Unifesp (HSP/HU) e não tem conhecimento das razões para a não inclusão no repasse. “Diante da medida, a instituição continua em contato com os ministérios, buscando soluções para o hospital”, disse a direção. 

Mais à noite, porém, o Ministério da Saúde informou que a instituição não receberá mais recursos do Rehuf porque “deixou de ser hospital universitário federal”. “A unidade optou por ser classificada como filantrópica. Desde a mudança, passou a receber os benefícios dessa categoria.”

O governo federal não deu mais detalhes, datas ou valores, ressalvando apenas que responde por cerca de 90% da receita da unidade. O Estado ainda tentou contato com o HSP, após as 23 horas, mas não foi possível encontrar ninguém para falar da mudança organizacional.

No mês passado, em reunião para explicar a falta de recursos na instituição, a direção lembrou que o centro médico teve início nos an os 1940 como um hospital privado – posteriormente, em 1994, passou a integrar a Unifesp. A discussão sobre a definição de hospital universitário já havia surgido na época, mas o HSP informou que dirimiu as dúvidas em Brasília.

Atendimento. Não está claro se a mudança afetará o atendimento. Hospitais filantrópicos, ao contrário dos universitários, podem ter atendimento até 40% privado – algo vetado aos universitários, mas que permitiria obter mais recursos. Algumas filantrópicas, porém, como a Santa Casa, chegam a ter mais de 90% da demanda pelo SUS. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.