Santa Casa de São Carlos/Divulgação
Santa Casa de São Carlos/Divulgação

Hospital usa bonecos que respiram para treinar atendimento a pacientes com coronavírus

Santa Casa de São Carlos cria um centro de simulação realística para ajudar médicos, enfermeiros e fisioterapeutas

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

14 de abril de 2020 | 12h00

Bonecos que respiram e sentem dor estão sendo utilizados para treinar médicos, enfermeiros e fisioterapeutas para situações de emergência que podem ser causadas pelo novo coronavírus, em São Carlos, no interior de São Paulo. A Santa Casa, maior hospital beneficente da cidade, criou um centro realística para simular procedimentos necessários em pacientes acometidos de forma severa pelo covid-19. Na sala de cirurgia, o robô imita o doente e os profissionais aprendem a fazer a reanimação cardiopulmonar e os procedimentos que podem salvá-lo.

Na etapa inicial, os 51 médicos residentes do hospital estão em treinamento. Nos bonecos, eles realizam a intubação orotraqueal - quando o paciente tem insuficiência respiratória e precisa ser ligado ao ventilador pulmonar - e a cricotomia de emergência - quando é preciso fazer uma perfuração na garganta do doente para ligá-lo ao ventilador pulmonar. "O centro de simulação permite que a equipe esteja apta a realizar os procedimentos e também que fique familiarizada com os riscos de contágio que são inerentes a esses processos, usando corretamente os equipamentos de proteção", explicou o médico infectologista Roberto Muniz Junior, que atua no treinamento.

O mais importante, segundo eles, é a possibilidade dos profissionais terem contato com "pacientes" que eles sabem apenas que não irão morrer, o que aumenta a confiança durante o aprendizado. A sala de simulação imita o ambiente real de uma sala de cirurgia, assim como o robô imita o paciente e tem reações de um ser humano. "Ele respira, tem batimentos cardíacos, reclama de dor e até pode regurgitar quando está passando muito mal", detalhou o médico. Isso faz com que o médico e outros profissionais reajam como se estivessem cuidando de um doente real.

Na etapa seguinte, serão capacitados o corpo clínico do hospital, enfermeiros e fisioterapeutas. Inaugurado em fevereiro deste ano, o centro de simulação realística integra o departamento de ensino do hospital. Parte do investimento, de R$ 150 mil, foi financiada pela faculdade de medicina de São José do Rio Preto, que utiliza a estrutura para seus alunos do internato (sexto ano de medicina). A Santa Casa de São Carlos faz parte da rede de hospitais estruturantes instituída pelo governo estadual e é referência para atendimentos de alta complexidade para cinco cidades da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.