STR/AFP
STR/AFP

Pelo menos 6 mortos em desabamento de hotel usado para quarentena de coronavírus na China

Segundo o Ministério da Emergência chinês, das 71 pessoas que estavam no hotel no momento do colapso, 43 foram removidas dos escombros

Redação, O Estado de S. Paulo

07 de março de 2020 | 11h23
Atualizado 01 de abril de 2020 | 18h32

XANGAI - O colapso de um hotel na China, que foi convertido em um centro de acolhimento para pacientes em quarentena contra o coronavírus, deixou pelo menos seis pessoas mortas, segundo novo balanço do Ministério de Gerenciamento de Emergência.

Segundo essas informações, das 71 pessoas que estavam no hotel no momento do colapso, 43 foram removidas dos escombros e nove conseguiram sair por conta própria.

A princípio, a televisão pública CCTV havia reportado 48 pessoas resgatadas.

O hotel, localizado na cidade de Quanzhou, na província de Fujian, havia sido usado pelas autoridades de saúde chinesas para colocar as pessoas em quarentena, mas desabou na tarde desse sábado, 7.

Neste domingo, as equipes de resgate procuravam 19 pessoas que ainda estão presas nos escombros do acidente.

Imagens divulgadas na rede social chinesa Weibo mostraram salva-vidas trabalhando no escuro entre os escombros do hotel Xinjia.

Os vídeos mostraram equipes de resgate removendo detritos e tentando tranquilizar uma mulher presa sob o cimento, enquanto ambulâncias despejavam os feridos.

O hotel Xinjia,  inaugurado há apenas dois anos com 80 quartos, desabou por volta das 11h30 (GMT). Recentemente, tornou-se um ponto de recepção e quarentena para pessoas que tiveram contato com pacientes contaminados pelo novo coronavírus, segundo o El Diario del Pueblo.

As autoridades de Fujian enviaram 150 trabalhadores ao local para trabalhos de resgate, segundo a estação de televisão CCTV.

Quanzhou, uma cidade costeira, registrou 47 casos de COVID-19. O governo da província de Fujian disse que, na sexta-feira, 6, a província tinha 296 casos de cornavírus e 10.819 pessoas foram colocadas em observação após serem classificadas como suspeitas de contatos próximos.

Nenhuma razão foi dada para o colapso do hotel. A agência oficial de notícias Xinhua disse que o comitê responsável pela segurança do trabalho no Conselho de Estado, gabinete da China, enviou uma equipe de trabalho de emergência para o local.

Os colapsos das construções são comuns na China, onde o crescimento rápido e a vigilância precária da construção induzem os construtores a padrões de segurança mais baixos.

Pelo menos 20 pessoas morreram em 2016, quando vários prédios com defeitos de construção desabaram na cidade de Wenzhou (leste).

Outro prédio que estava sendo reformado em Xangai no ano passado também caiu, matando 10 pessoas. / AFP eREUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.