HST/Nasa-ESA
HST/Nasa-ESA

Hubble permite rastrear movimentos de 100.000 estrelas em aglomerado

O filme gerado permite projetar os movimentos previstos para os próximos 10.000 anos.

estadão.com.br, estadão.com.br

26 Outubro 2010 | 18h34

O Telescópio Espacial Hubble permitiu que, pela primeira vez, cientistas acompanhassem os movimentos individuais de mais de 100.000 estrelas no interior do aglomerado Omega Centauri, que contém mais de 10 milhões de estrelas em órbita de um centro de gravidade comum. 

 

Uma medição precisa do movimento das estrelas em aglomerados gigantes pode oferecer novas informações sobre como esses agrupamentos se formaram nos primórdios do Universo, e se um buraco negro de massa intermediária - com cerca de 10.000 vezes a massa do Sol - pode estar escondido entre as estrelas.

 

Analisando imagens de arquivo feitas ao longo de um período de quatro anos, astrônomos fizeram as melhores medições já obtidas  de mais de 100.000 habitantes do aglomerado. Trata-se do melhor levantamento já feito dos movimentos de estrelas em qualquer aglomerado.

 

"É preciso programas de computador velozes e sofisticados para medir as minúsculas mudanças na posição das estrelas que ocorrem ao longo de apenas quatro anos", disse o astrônomo Jay Anderson, um dos autores do estudo.

 

Os pesquisadores usaram imagens feitas pelo Hubble entre 2002 e 2006 para criar uma simulação do movimento das estrelas. O filme permite projetar os movimentos previstos para os próximos 10.000 anos.

 

Omega Centauri é um dos cerca de 150 aglomerados do tipo que existem na Via-Láctea. Trata-se do maior e mais brilhante da galáxia, e de um dos poucos que pode ser visto a olho nu.

Mais conteúdo sobre:
astronomia hubble

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.