Nasa/Reprodução
Nasa/Reprodução

Hubble registra imagem de galáxia 'peculiar'

NGC 5253 é uma formação azul anã compacta, que pode ajudar astrônomos a descobrir como estrelas se formaram nos primórdios do universo

O Estado de S. Paulo

03 Dezembro 2012 | 09h03

A agência espacial dos Estados Unidos (Nasa) divulgou na sexta-feira, 30, uma imagem da galáxia NGC 5253, localizada na constelação de Centaurus, a cerca de 12 milhões de anos-luz da Terra. A foto foi registrada pelo telescópio Hubble.

 

A NGC 5253 é uma galáxia do tipo anã azul compacta, um tipo que abriga regiões ativas de formação de estrelas, o que ocorre devido aos poucos resíduos e à falta de elementos mais pesados que hidrogênio e hélio, normalmente os ingredientes básicos para que uma estrela de forme.

 

Essas galáxias contêm nuvens moleculares similares às nuvens puras que formaram as primeiras estrelas nos primórdios do universo, que eram desprovidas de poeira e elementos mais pesados. Logo, os astrônomos consideram as anãs azuis compactas como o local ideal para entender como as primeiras estrelas se formaram.

 

A NGC 5253 contém alguns elementos pesados e um pouco de poeira, mas bem menos que a Via Láctea. As regiões centrais da galáxia são dominadas por uma área de formação estelar que está envolvida pelo corpo principal. Essa zona central consiste em um ambiente cheio de estrelas jovens e de alta temperatura - a parte azul da imagem.

 

A natureza das galáxias anãs azuis compactas intriga os astrônomos há anos. Simulações numéricas feitas de acordo com a atual teoria cosmológica de formação das galáxias, conhecida como o modelo Lambda de Matéria Escura e Fria, prevê deveria haver várias formações como essas em volta de galáxias maiores, como a Via Láctea. A questão é chamada de Problema das Galáxias Anãs.

 

A NGC 5253 é considerada parte do grupo de galáxias Centaurus A/Messier 83 - a primeira, uma radiogaláxia, e a segunda, uma galáxia espiral. Os astrônomos acreditam que a natureza peculiar da anã azul compacta pode resultar em um encontro com a Messier 83, sua vizinha mais próxima.

 
Mais conteúdo sobre:
ciêncianasagaláxiasastronomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.