Humanos da pré-história tinham cama com repelente de insetos

Quase 80 mil anos antes de os humanos começarem a borrifar substâncias químicas para controlar os insetos, os africanos usavam colchões feitos com plantas repelentes de insetos para garantir uma boa noite de sono.

ED STODDARD, REUTERS

09 de dezembro de 2011 | 15h08

O achado, publicado na revista Science desta sexta-feira, tem por fundamento uma cama com plantas, de 77 mil anos, descoberta em uma caverna na província de KwaZulu Natal, na África do Sul. A cama é 50 mil anos mais antiga do que qualquer outra pré-histórica já descoberta.

A capacidade de repelir os insetos sugere que os humanos antigos estavam cientes das propriedades químicas e medicinais de algumas plantas.

"As plantas continham substâncias químicas que repeliam mosquitos e outros insetos; assim, sabemos que eles conheciam as plantas medicinais", disse Lyn Wadley, professora de arqueologia na Universidade de Witwatersrand.

A arrumação ajudava a reduzir as doenças provocadas por insetos, embora os antigos humanos provavelmente não tenham estabelecido nenhuma conexão entre os mosquitos e a malária, disse ela à Reuters.

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIAAFRICAINSETOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.