Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

Idosos de 77 a 79 anos mostram alívio em primeiro dia de vacinação para essa faixa etária

Postos em São Paulo recebem muitas pessoas e filas de carros se formam em lugares com o sistema de drive-thru

Paula Felix, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2021 | 16h30

No primeiro dia de vacinação contra a covid-19 de idosos de 77 a 79 anos, os novos pontos de imunização instalados na capital tiveram fila de carros, no serviço drive-thru, fotos dos cartões de vacinação e alívio de quem recebeu a dose.

Uma fila de carros com pisca-alerta ligado chamava atenção nas imediações do Teatro Paulo Eiró, em Santo Amaro, na zona sul, onde começou a funcionar um drive-thru nesta quarta-feira, 3. A espera até a dose era, em média, de uma hora por volta do meio-dia, mas o clima era de animação no local.

Leia Também

Guia da Vacina

Guia da Vacina

"Esperamos por 1h10, mas foi muito bom. Foi uma boa opção ter vacina aqui. Foi um ano difícil. A gente só ficou em casa", diz a professora Roseli Silveira Leite Karow, de 65 anos, que levou o marido Hans Peter Karow, de 77 anos, para ser imunizado.

A pedagoga Melissa Fiorio Mobrige, de 44 anos, levou os pais e aguardou por uma hora no carro. "Minha mãe tem 78 anos e o meu pai, 77. No começo, ficamos afastados, mas demos uma flexibilizada por causa dos netos. Eles têm seis netos."

Para quem estava a pé, havia doses dentro do teatro, mas o ritmo de vacinação era mais lento.

O taxista Victor Casteireira, de 79 anos, foi ao local, mas acabou tomando a vacina em uma unidade de saúde na região. "Minha sogra, de 93 anos, vai tomar no teatro, mas eu fui a pé aqui perto e só tinha cinco pessoas no posto."

Na Igreja São Judas, no Jabaquara, também na zona sul, o movimento era tranquilo no início da tarde. Lá, foi aberto um posto volante. Funcionários da saúde municipal relataram que, durante a manhã, houve aplausos e muita comemoração. Familiares e fotografavam o cartão de imunização após a dose. Alguns idosos pediam ajuda para os profissionais que atuavam no local para fazer o registro.

A aposentada Carmela Franze Morano, de 79 anos, foi com o filho, o autônomo Carlos Alberto Morano, de 54 anos, e teve a vacinação fotografada. "Graças a Deus. Demorou, mas chegou. Foi maravilhoso e rápido." Mesmo assim, ela diz que vai manter os cuidados quando a imunização estiver completa. "Continua a mesma coisa. Máscara e com álcool sempre na bolsa."

Eva Antunes Lopes, de 77 anos, aproveitou que ia se vacinar e levou a amiga de infância, Ana Lúcia Nunes Chikuchi, de 79 anos. "Amigo é para essas coisas." Eva tinha o hábito de viajar para Minas Gerais, Rio e Espírito Santo para ver os irmãos e se viu isolada na pandemia. "Fiquei até deprimida. Somos dez irmãos. Fazia aula de ginástica, musculação e parei tudo. Agora, estou fazendo online." Elas aproveitaram e fizeram uma foto para guardar de lembrança. "Faz tanto tempo que a gente não se vê. Nossas avós e nossas mães também eram amigas", conta Ana Lúcia.

A aposentada Maria Antonieta Fuzaro de Lacerda Abreu, de 79 anos, chegou a ir em uma unidade de saúde, mas, como estava cheia, foi ver como estava o movimento na igreja e saiu vacinada. "Estava ansiosa. A vacina não dói. Perdi meu marido para a doença em agosto do ano passado. Ele estava com 78 anos." Ela tem uma filha que mora na Itália, mas não sabe ainda se, mesmo com a vacina, será possível vê-la neste ano.

Para poder levar o pai, que é cadeirante, a advogada Andrea Vogt, de 44 anos, visitou três locais de vacinação antes de sair com ele. "Aqui, a rua estava mais tranquila para descer do carro. Está um ambiente agradável e arejado." Em minutos, o aposentado João Carlos Vogt, de 79 anos, estava vacinado. A ida ao local até trouxe uma lembrança. "Aqui, fiz minha primeira comunhão."

Também nesta quarta-feira, 3, o serviço de drive-thru foi aberto no Ginásio do Ibirapuera. Já o drive-thru do Estádio do Pacaembu será encerrado às 17h desta quarta-feira, porque o local vai entrar em obras. Para substituir, já está em funcionamento o drive-thru no Memorial da América Latina.

O fluxo de veículos era leve no drive-thru do Ginásio do Ibirapuera na tarde desta quarta-feira. No local, mais de uma tenda foi montada para a imunização, que era feita rapidamente. O administrador de empresas Vicente Liguori, de 78 anos, foi ao local com a irmã, Zilda Liguori, de 79 anos. "É mais que necessário tomar a vacina. Ainda mais na situação grave que estamos vivendo e na nossa idade."

A estudante de fisioterapia Márcia Nunes Fernandes, de 56 anos, levou a mãe Célia Nunes Fernandes, de 87 anos, para tomar a segunda dose da vacina. "Ela tomou a primeira dose no Pacaembu. Passamos três horas na fila, mas valeu a pena."

Ainda nesta semana, outros pontos com o serviço devem ser abertos: na quinta-feira, 4, entram em operação os drive-thrus no Parque Villa-Lobos, no Clube Atlético Monte Líbano e na Subprefeitura M'Boi Mirim. Na sexta-feira, 5, o serviço será inaugurado no Club Athletico Paulistano.

Mega drive-thrus

Os outros mega drive-thrus estão localizados nos seguintes pontos: Arena Corinthians, Centro de Exposições do Anhembi, Autódromo de Interlagos, Igreja Boas Novas, Clube Hebraica e Estádio do Morumbi. Eles funcionam das 8h às 17h.

Também é possível se vacinar pelo sistema em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) das 8h às 17h. A lista pode ser vista aqui.

A vacina também está sendo aplicada em 468 UBSs, das 7h às 19h, de segunda a sexta. Nas AMAS/UBS’s Integradas, o horário de vacinação é o mesmo e as unidades abrem aos sábados. Os Centros-Escolas Barra Funda, Geraldo de Paula Souza e Samuel Barnsley Pessoa estão vacinando das 8h às 17h.

As 17 unidades do Serviço de Assistência Especializada em IST/Aids (Saes) também estão sendo usadas para imunizar a população.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.