Impacto de Ebola pode ser ‘catastrófico’, prevê Banco Mundial

Se o vírus for contido até o fim do ano, a instituição estima que as perdas chegarão a US$ 3 bilhões até 2015

Claudia Trevisan, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2014 | 23h22

WASHINGTON - A devastação provocada pelo Ebola na África Ocidental não é medida apenas pelo número de mortes. Milhares de crianças ficaram órfãs e a economia dos três países que estão no centro da epidemia vive o impacto negativo da paralisação de diversos setores, o que compromete os principais esforços de combate à pobreza.

Serra Leoa era um dos países com mais rápida expansão econômica do mundo até o ano passado, quando seu PIB teve alta de 20%. O ritmo de expansão da Libéria deve passar de 8,7%, em 2013, para 2,5% em 2014. 

Mas o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, ressaltou que a epidemia pode ter um impacto econômico “catastrófico”. Se o vírus for contido até o fim do ano, a instituição estima que as perdas chegarão a US$ 3 bilhões até 2015. Em um cenário de expansão da doença para Gana, Nigéria e Senegal, o prejuízo pode alcançar US$ 32,6 bilhões.

Déficit. “Nós estamos prontos para fazer mais”, disse a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, que abriu uma exceção para a região na receita de austeridade do FMI. “É bom aumentar o déficit fiscal quando se trata de curar pessoas e conter doenças.” 

Mais conteúdo sobre:
Ebola Banco Mundial

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.