Sebastião Moreira/EFE
Sebastião Moreira/EFE

Imunidade de rebanho: saiba o que é e se o Brasil já atingiu para covid-19

A Organização Mundial Saúde estima que 65% a 70% da população precisa estar imune para a proteção ocorrer e não recomenda que o vírus circule livremente

Mílibi Arruda, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2020 | 16h47

Durante a pandemia do novo coronavírus, imunidade de rebanho - ou imunidade coletiva - tem sido uma expressão muito usada para se referir à quantidade de pessoas que devem ter a doença com o objetivo de parar a transmissão do vírus.

Mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que o uso comum do conceito está relacionado a quantos devem receber vacina contra uma determinada doença para que a população em geral esteja protegida. Isso porque, quando existe vacinação, nem todos precisam recebê-la para que atingir a imunidade coletiva.

Não se trata de infectar pessoas e deixar, neste caso, a covid-19 ser transmitida livremente. A OMS e epidemiologistas apontam que essa não é uma estratégia apropriada para combater o novo coronavírus, já que resultaria em muitas mortes e na sobrecarga dos sistemas de saúde.

Entenda abaixo o que é a imunidade coletiva, como funciona e o que já se sabe em relação à pandemia. 

O que é imunidade de rebanho?

É quando uma determinada porcentagem de indivíduos fica imune à uma doença transmissível de pessoa para pessoa e a infecção para de se alastrar. Assim, mesmo os que não foram infectados ficam protegidos, porque a população com imunidade serve como uma barreira para a transmissão.

Normalmente, o conceito é aplicado para saber quantas pessoas de um local devem ser vacinadas, conforme aponta a OMS. A cientista-chefe da entidade, Soumya Swaminathan, disse durante coletiva de imprensa que nenhuma doença foi controlada somente por permitir que a imunidade natural ocorra.

Quando se atinge a imunidade coletiva?

A entidade aponta que ainda não foi encontrado um número exato para isso acontecer com a covid-19, mas estima que deve ser de 65% a 70% da população com anticorpos para o novo coronavírus.

Alguns estudos apontam que essa porcentagem pode ser menor, 43% ou até 20%. Mesmo que seja menor, especialistas apontam que é perigoso contar com isso, porque ainda há muitas lacunas de conhecimento sobre o vírus. O que se sabe é que, quanto mais transmissível a doença, maior é esse índice.

Em relação ao sarampo, bastante contagioso, cada infectado transmite para 15 a 20 pessoas e a taxa da população que deve ter anticorpos para que seja atingida a imunidade de rebanho é de 90%. A OMS aponta que alguém com covid-19 passa a doença para duas a três pessoas,  em média, mas pode ser mais que quatro em alguns locais.

Essa imunidade já foi atingida no Brasil?

Até o momento, não há notícia de nenhuma cidade que tenha atingido, com base na estimativa da OMS. A organização considera que, em média, apenas 5% a 10% da população mundial desenvolveu anticorpos para a covid-19 até o momento. Ou seja, a doença ainda tem muito espaço para se propagar. O número pode ser maior em algumas cidades mais afetadas pela pandemia.

Em locais de contágio intenso no Brasil, como São Paulo e Amazonas, pesquisas apontam que a porcentagem de pessoas que teve contato com o vírus foi de 18% e 30%, respectivamente - também bem abaixo da estimativa.

Em julho, a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), braço nas Américas da entidade internacional, indicou que nenhum local no País estava perto da imunidade de rebanho.

Além disso, a estratégia não é recomendada pela OMS e por epidemiologistas para combater a pandemia. Segundo a agência, deixar a transmissão ocorrer livremente sobrecarregaria os hospitais e resultaria em muitas mortes, pelo próprio coronavírus e pela falta de estrutura para atendimento de outras emergências. 

Para evitar o colapso do sistema de saúde e óbitos, a entidade recomenda o uso de ferramentas de controle, como distanciamento físico, uso de máscaras, testagem da população e rastreamento de contatos para identifcar os focos da doença.

Também há a questão de que ainda não se sabe por quanto tempo, exatamente, alguém fica imune à covid-19. Há estudos que apontam que a imunidade tem duração de apenas alguns meses. Outros mais recentes mostram que essa proteção pode durar anos. O primeiro caso de reinfecção foi documentado em Hong Kong, em agosto.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.